Justiça dos EUA libera à Gol empréstimo de US$350 mi em processo de recuperação judicial

Por Dietrich Knauth e Andre Romani

SÃO PAULO (Reuters) - A Justiça norte-americana aprovou nesta segunda-feira o acesso provisório à Gol de parcela inicial de 350 milhões de dólares de um empréstimo de 950 milhões de dólares no âmbito de seu processo de recuperação judicial nos Estados Unidos.

O juiz do Tribunal de Falências dos EUA Martin Glenn aprovou o financiamento inicial em uma audiência em Manhattan, apesar de expressar certas preocupações em relação ao alto custo do empréstimo. Glenn irá considerar aprovar o restante em uma audiência futura e disse que precisa de mais informações sobre os custos financeiros.

"Não estou assinando um cheque em branco", disse Glenn.

O empréstimo tem uma taxa de juros que atualmente excede 15%, mais de 235 milhões de dólares em taxas adicionais, além de honorários advocatícios adicionais que podem ser acrescentados a esse custo posteriormente, de acordo com documentos judiciais.

O advogado da Gol, Andrew Leblanc, disse que o financiamento inicial é "desesperadamente necessário" para manter as operações da Gol e preservar o relacionamento com os arrendadores donos da frota de 141 aeronaves Boeing da Gol, que poderiam interromper a manutenção das aeronaves ou até mesmo exigir que elas fossem devolvidas caso não fossem pagos.

A Gol também pretende utilizar as proteções legais da recuperação judicial para proteger seus arrendamentos de interferências externas, afirmou Leblanc. Segundo ele, uma companhia aérea concorrente já entrou em contato com lessores da Gol na tentativa de "abocanhar" suas aeronaves.

Em fato relevante ao mercado nesta segunda-feira a Gol disse que, com a aprovação, "honrará todos os compromissos com parceiros de negócios e fornecedores de bens e serviços prestados a partir da data de início do processo em 25 de janeiro de 2024, além do pagamento de salários" aos trabalhadores.

As ações da companhia aérea desabavam mais de 33% no final da tarde, após serem suspensas diante da iminência da publicação do fato relevante.

Continua após a publicidade

O financiamento de 950 milhões de dólares foi acertado pela empresa na modalidade "debtor in possession" (DIP) por membros do chamado "Grupo Ad Hoc de bondholders da Abra", holding que reúne as operações da Gol com a colombiana Avianca, e outros detentores de títulos de dívida da Abra.

(Reportagem de Dietrich Knauth em Nova York e Alberto Alerigi Jr., Andre Romani e Gabriel Araujo em São Paulo)

(Por Dietrich Knauth em Nova York e Alberto Alerigi Jr., Andre Romani e Gabriel Araujo em São Paulo)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora