Copel terá ano de arrumação de casa, mas olhará oportunidades de crescimento, diz CEO

Por Letícia Fucuchima

SÃO PAULO (Reuters) - O ano de 2024 será de "arrumação da casa" para a Copel após a privatização da elétrica realizada no ano passado, com as prioridades voltadas para sua reorganização interna e investimentos em seus próprios ativos, disse nesta terça-feira o CEO da companhia elétrica, Daniel Slaviero.

"A prioridade são investimentos orgânicos... isso passa por investimentos na base de distribuição (de energia), reforços e melhorias (na transmissão) e leilão de capacidade", afirmou o executivo a jornalistas após participar de evento do banco UBS BB em São Paulo.

Segundo Slaviero, a paranaense Copel está focada agora em trabalhos organizacionais, como a integração de suas áreas e equipes após um programa de demissão voluntária (PDV) que reduziu 23% de seu quadro, e nos desinvestimentos de negócios considerados não estratégicos, como a distribuição de gás natural.

No caso da venda da distribuidora Compagás, ele disse que a expectativa é receber ofertas vinculantes pelo ativo até o final de fevereiro. Para simplificar seu portfólio, a companhia poderá ainda desinvestir de usinas hidrelétricas de pequeno porte, as PCHs e CGHs, e realizar, no futuro, descruzamento de participações que detém em outras empresas.

Um dos focos serão os investimentos na distribuidora de energia da Copel no Paraná, que é uma das maiores do país. A área receberá a grande maioria dos investimentos aprovados no programa da Copel para 2024, de 2,4 bilhões de reais.

Nesse sentido, o presidente da Copel destacou que aquisições de ativos e disputar leilões de transmissão não são hoje uma prioridade para a companhia. "Para 2025 está ainda muito cedo, vai depender", acrescentou.

Ele ponderou, no entanto, que a companhia não deixa de olhar oportunidades de crescimento, uma vez que "nenhuma empresa gera valor de longo prazo apenas cortando custo".

Slaviero ressaltou ainda a importância do pagamento de dividendos aos acionistas, em um plano que ele considera um dos grandes sucessos da companhia.

Continua após a publicidade

"Acreditamos muito que isso (distribuição de dividendos) é um pilar, sem solavancos, picos e baixas. Você ter uma constância, um carrego, ajuda não só o investidor profissional mas principalmente o investidor pessoa física."

A jornalistas, o executivo disse ainda estar "otimista" com o cenário para o setor elétrico para 2024, devido a uma visão mais "pragmática" do governo na condução das principais pautas do setor.

Como exemplo, ele citou a perspectiva de renovação das concessões de distribuição de energia de forma não onerosa, mas com cobrança de níveis mínimos de qualidade dos serviços.

"Eu acho que esse comportamento do ministro e ministério vai permear todos os outros grandes assuntos do setor, leilão de capacidade, transição energética, entrada de novas fontes, do hidrogênio", finalizou.

(Por Letícia Fucuchima)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes