UPS planeja US$1 bi em cortes de custos e redução de 12 mil empregos

Por Lisa Baertlein e Ananta Agarwal

(Reuters) - A norte-americana UPS, maior empresa de entrega de encomendas do mundo, anunciou nesta terça-feira que deve cortar 12 mil empregos e explorar opções estratégicas para a Coyote, sua empresa de corretagem de fretes de carga de caminhão, depois que a companhia previu receita para o ano abaixo das estimativas.

As ações da UPS mostravam queda de mais de 8% às 13h18 (horário de Brasília).

A UPS afirmou que planeja cortar 1 bilhão de dólares em custos após um ano "difícil e decepcionante", quando volume, receita e lucro operacional diminuíram em todos os segmentos de negócios, disse a presidente-executiva, Carol Tome, em teleconferência com analistas.

A UPS, vista como um termômetro da economia global, disse que as condições de negócios não devem melhorar até o segundo semestre de 2024. A companhia previu nesta terça-feira receita para o ano na faixa de 92 bilhões a 94,5 bilhões de dólares, abaixo das estimativas do mercado de 95,57 bilhões, segundo dados da LSEG.

A UPS espera que o volume médio diário de encomendas seja fraco no primeiro semestre do ano, antes de se recuperar no segundo semestre. Mas, mesmo assim, o crescimento será limitado.

"O mercado de pequenos pacotes nos EUA, excluindo a Amazon, deve crescer menos de 1%", disse Tome aos analistas.

Clientes estão trocando os serviços aéreos pela entrega terrestre, que é menos lucrativa - pressionando tanto a UPS quanto a rival FedEx.

No quarto trimestre, a UPS teve queda de 6,9% na receita do segmento internacional aéreo devido à fraqueza significativa de negócios na Europa e um declínio de 7,3% nas operações nos EUA baseadas em caminhões.

Continua após a publicidade

A empresa informou receita trimestral de 24,9 bilhões de dólares, abaixo dos 27 bilhões do ano anterior e das estimativas dos analistas de 25,43 bilhões.

O lucro ajustado caiu para 2,47 dólares por ação, em comparação aos 3,62 do ano anterior, mas ficou ligeiramente acima das estimativas dos analistas, de 2,46 por ação.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes