Zona do euro evita recessão técnica por pouco no 4° tri

BRUXELAS (Reuters) - A economia da zona do euro evitou por pouco uma recessão técnica nos últimos três meses de 2023, apesar do encolhimento da produção na Alemanha, principalmente graças ao forte crescimento na Espanha e em Portugal e a um modesto aumento na Itália, mostraram dados nesta terça-feira.

Uma estimativa preliminar do escritório de estatísticas da União Europeia, Eurostat, mostrou que o Produto Interno Bruto (PIB) dos 20 países que compartilham o euro ficou estável no quarto trimestre em relação aos três meses anteriores.

O resultado superou o consenso do mercado de um declínio trimestral de 0,1% no PIB, o que teria colocado a zona do euro em uma recessão técnica, definida como dois trimestres consecutivos de redução da atividade.

Também em termos anuais, o quarto trimestre foi melhor do que o esperado por economistas consultados pela Reuters, aumentando 0,1%, em vez de permanecer inalterado, conforme previsto.

A Espanha, quarta maior economia da zona do euro, foi a maior contribuinte para o resultado geral, com um crescimento trimestral de 0,6%, enquanto Portugal, de menor porte, cresceu 0,8%. O crescimento da terceira maior economia, a Itália, também acelerou para 0,2% nos últimos três meses, em comparação com 0,1% no trimestre anterior.

Isso ajudou a compensar a queda trimestral de 0,3% na Alemanha, a maior economia da zona do euro, e o crescimento zero na França, a segunda maior economia.

(Por Jan Strupczewski)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes