Dólar sobe em sessão volátil antes de decisão do Fed

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar tinha leve alta frente ao real nesta quarta-feira, em linha com a valorização externa da moeda conforme o mercado aguarda a decisão de política monetária do Federal Reserve, em sessão que promete volatilidade na cena local por ser a última do mês.

Às 9:52 (horário de Brasília), o dólar à vista avançava 0,09%, a 4,9505 reais na venda.

Na B3, às 9:52 (horário de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,01%, a 4,9510 reais.

O Federal Reserve deve manter a taxa de juros dos EUA nesta quarta-feira, mas investidores querem ver se o banco central vai sinalizar se e quando cortes virão, depois que recentemente operadores adiaram de março para maio as apostas sobre o início do afrouxamento monetário.

"Com os juros lá fora se mantendo estáveis durante um período maior de tempo que o mercado pensava e, aqui, caindo, fica menos vantajoso trazer dinheiro para cá, por conta da diferencial da taxa de juros", disse Gabriel Mota, operador de renda variável da Manchester Investimentos.

"Então, hoje (o dólar) não está se mexendo tanto e está com uma leve alta porque tem a decisão à tarde ali... e deve se manter sem grandes oscilações até sair a política monetária."

No Brasil, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central também encerra seu encontro de dois dias nesta quarta-feira, e provavelmente cortará a Selic em 0,50 ponto percentual pela quinta vez, a 11,25%.

Segundo participantes do mercado, como não há expectativa de surpresas na decisão do Copom, os negócios devem ser mais influenciados pela decisão e pelas indicações de política monetária do Fed.

Continua após a publicidade

Operadores alertavam nesta quarta-feira para o fechamento da taxa Ptax do fim de janeiro, que é uma taxa de câmbio calculada pelo Banco Central e serve de referência para a liquidação de contratos futuros.

No fim de cada mês, agentes financeiros costumam tentar direcioná-la para níveis mais convenientes às suas posições, sejam elas compradas ou vendidas em dólar, o que costuma elevar a instabilidade das negociações.

A moeda norte-americana estava a caminho de encerrar o mês de janeiro em alta de quase 2% contra o real, o que marcaria o maior ganho desde agosto do ano passado (+4,72%). Isso se deve em grande parte a uma redução no otimismo sobre os eventuais cortes de juros do Fed, mas também reflete os persistentes temores sobre a saúde fiscal do país.

Na véspera, o dólar à vista fechou o dia cotado a 4,9462 reais na venda, em leve baixa de 0,11%.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes