Presidentes de Meta, TikTok e X enfrentam questões duras sobre segurança infantil em audiência nos EUA

WASHINGTON (Reuters) - Os presidentes de Meta, X, TikTok, Snap e Discord enfrentaram questões duras sobre seus esforços para combater a exploração sexual infantil online em uma audiência no Senado dos Estados Unidos nesta quarta-feira.

O senador Dick Durbin, presidente democrata do Comitê Judiciário dos EUA, citou estatísticas do grupo sem fins lucrativos Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas que mostraram que a "sextorsão" financeira, na qual um predador engana um menor para que envie fotos e vídeos explícitos, disparou no ano passado.

"Este crescimento perturbador da exploração sexual infantil é impulsionado por uma coisa: mudanças na tecnologia", disse Durbin durante a audiência.

No início da audiência nesta quarta-feira, o comitê exibiu um vídeo no qual crianças falavam sobre serem vítimas nas plataformas de rede social.

"Fui explorada sexualmente no Facebook", disse uma criança no vídeo, aparecendo sob uma sombra.

Na sala de audiência, dezenas de pais aguardavam a entrada dos CEOs, segurando fotos dos filhos.

"Sr. Zuckerberg, você e as empresas antes de nós, eu sei que não é sua intenção, mas você tem sangue nas mãos", disse o senador Lindsey Graham, referindo-se ao presidente-executivo da Meta, Mark Zuckerberg. "Você tem um produto que está matando pessoas."

Esta quarta-feira também marca a primeira aparição do CEO do TikTok, Shou Zi Chew, perante parlamentares dos EUA desde março, quando a empresa chinesa de vídeos curtos enfrentou duros questionamentos, incluindo algumas sugerindo que o aplicativo estava prejudicando a saúde mental das crianças.

"Tomamos escolhas cuidadosas no design do produto para ajudar a tornar nosso aplicativo inóspito para aqueles que procuram prejudicar adolescentes", disse Chew, acrescentando que as diretrizes da comunidade do TikTok proíbem estritamente qualquer coisa que coloque "adolescentes em risco de exploração ou outros danos -- e nós as aplicamos vigorosamente".

Continua após a publicidade

Zuckerberg, cuja empresa Meta é proprietária do Facebook e do Instagram; a presidente-executiva do X, Linda Yaccarino; o presidente-executivo da Snap, Evan Spiegel; e o presidente-executivo da Discord, Jason Citron, também testemunharam.

"Estamos empenhados em proteger os jovens de abuso em nossos serviços, mas este é um desafio contínuo", disse Zuckerberg em depoimento na audiência. "À medida que melhoramos as defesas numa área, os criminosos mudam as suas tácticas e temos de encontrar novas respostas."

Zuckerberg reiterou que a empresa não tem planos de avançar com uma ideia antiga de criar uma versão infantil do Instagram.

(Por David Shepardson e Makini Brice; reportagem adicional de Sheila Dang e Katie Paul)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes