Vontobel escolhe Brasil como melhor opção para investimentos em mercados emergentes

Por Gabriel Araujo

SÃO PAULO (Reuters) - Um gestor de ativos da Vontobel Quality Growth, da Suíça, disse que o Brasil é uma das oportunidades de investimento mais atraentes nos mercados emergentes, prevendo uma tendência positiva contínua para as ações do país e um cenário econômico favorável.

Mesmo depois de uma recuperação que fez com que o índice de ações Bovespa atingisse recordes de alta no final de 2023, alguns investidores acreditam que as ações brasileiras ainda têm espaço para subir em meio a papeis com desconto, crescimento mais forte do que o esperado e taxas de juros em queda.

A Vontobel Quality Growth, uma boutique da gigante suíça de gestão de ativos Vontobel, tem cerca de 26 bilhões de dólares em ativos sob gestão.

O Brasil "realmente preenche muitos requisitos para o que estamos procurando em nível de mercados emergentes globais", disse Ramiz Chelat, gerente de portfólio da Vontobel, à Reuters, acrescentando que está especialmente otimista em relação às ações de consumo, financeiras e de software.

Os baixos níveis de desemprego, o ciclo de flexibilização monetária em andamento, o crescimento da renda e o ciclo de crédito ao consumidor, que já passou do pior, são fatores que apoiam o setor de consumo, disse Chelat, citando a cadeia de drogarias Raia Drogasil e a gigante do aluguel de carros Localiza entre os possíveis melhores desempenhos.

As empresas financeiras de crescimento mais rápido, como o Nubank e o BTG Pactual também estão bem posicionadas no cenário atual, assim como a empresa de software Totvs, acrescentou ele em uma entrevista.

"Estamos obtendo uma combinação de empresas e equipes de gestão de alta qualidade com precificações atraentes", disse Chelat sobre o Brasil. "Acho que isso é único em um contexto de mercados emergentes, pois todos esses fatores são geralmente favoráveis, além da política monetária."

Os riscos incluem a frágil posição fiscal do Brasil, com os mercados céticos quanto às chances de o governo cumprir sua promessa de eliminar seu déficit orçamentário primário neste ano.

Continua após a publicidade

"Mas acho que ainda estamos caminhando na direção certa", disse Chelat.

Ele observou que a restrição fiscal demonstrada pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em seu primeiro ano no cargo foi melhor do que os mercados esperavam há 12 meses.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes