Dólar cai ante real na esteira da baixa dos rendimentos dos Treasuries

Por Fabricio de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar à vista emplacou nesta quinta-feira a terceira sessão consecutiva de baixa ante o real, acompanhando o recuo da moeda ante boa parte das demais divisas no exterior, na esteira da queda dos rendimentos dos Treasuries, após novos dados do mercado de trabalho dos EUA e em meio a preocupações em torno dos bancos regionais norte-americanos.

O dólar à vista fechou o dia cotado a 4,9150 reais na venda, em baixa de 0,47%. Em três sessões, a moeda acumulou queda de 0,74%.

Na B3, às 17:13 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,69%, a 4,9270 reais.

O mercado de câmbio abriu a sessão com investidores ainda digerindo a decisão de política monetária do Federal Reserve na quarta-feira, na qual a instituição anunciou a manutenção de sua taxa de juros de referência na faixa de 5,25% a 5,50% ao ano -- como esperado -- e descartou a possibilidade de novos aumentos de juros.

Ao mesmo tempo, o Fed adotou uma postura cautelosa em relação ao início do ciclo de cortes de juros, o que elevou a percepção no mercado de que a primeira redução ocorrerá em maio -- e não em março, como vinha sendo largamente precificado.

Essa percepção deu força ao dólar no início do dia: a moeda à vista marcou a cotação máxima de 4,9700 reais (+0,64%) às 9h05.

Durante a manhã, porém, o Departamento do Trabalho dos EUA informou que os pedidos iniciais de auxílio-desemprego aumentaram em 9 mil, para 224 mil, ajustados sazonalmente, na semana encerrada em 27 de janeiro. Os economistas haviam previsto 212 mil pedidos para a última semana.

Os números sugerem que o mercado de trabalho dos EUA pode estar esfriando, o que abriria espaço para a queda dos juros, trazendo um viés de baixa para o rendimento dos Treasuries nesta quinta-feira. Isso acabou por pesar também na relação do dólar ante outras divisas, incluindo o real.

Continua após a publicidade

“Eu mencionaria também alguma preocupação do mercado com o sistema bancário americano. Tem banco regional lá de novo inspirando atenção”, pontuou durante a tarde o diretor da assessoria de câmbio FB Capital, Fernando Bergallo. “O balanço de um dos bancos trouxe apreensão, impulsionando então a compra de títulos e botando pressão nas taxas dos Treasuries, que respondem para baixo diante do aumento de demanda.”

Segundo Bergallo, a queda do dólar no mercado global esteve “absolutamente em linha” com a baixa dos retornos dos Treasuries.

Na quarta-feira, o New York Community Bancorp surpreendeu o mercado ao relatar problemas em seu portfólio de imóveis comerciais, renovando os temores sobre a saúde do setor bancário norte-americano. O Índice Bancário Regional KBW desabou.

Neste cenário, o dólar à vista virou para o negativo no Brasil e marcou a mínima de 4,9125 reais (-0,52%) às 16h08.

No fim da tarde, o dólar também seguia em baixa no exterior ante as divisas fortes e em relação a boa parte das moedas de países emergentes e exportadores de commodities.

Às 17:13 (de Brasília), o índice do dólar --que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas-- caía 0,55%, a 103,040.

Continua após a publicidade

Pela manhã, o Banco Central vendeu todos os 16.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados na rolagem dos vencimentos de abril.

À tarde, o BC informou que o Brasil registrou fluxo cambial total positivo de 6,355 bilhões de dólares em janeiro até o dia 26. Pelo canal financeiro, houve entradas líquidas de 3,766 bilhões de dólares e, pela via comercial, entradas de 2,589 bilhões de dólares.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes