Expansão de serviços na China perde força em janeiro, mostra PMI do Caixin

PEQUIM (Reuters) - A atividade de serviços da China expandiu em um ritmo ligeiramente mais lento em janeiro, com queda no volume de novos pedidos, segundo uma pesquisa do setor privado divulgada nesta segunda-feira, sugerindo um início de ano fraco para a segunda maior economia do mundo em meio à demanda morna e à queda no setor imobiliário.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI) de serviços do Caixin/S&P Global caiu de 52,9 em dezembro para 52,7, mas permaneceu acima da marca de 50 que separa a expansão da contração pelo 13º mês consecutivo.

O número foi divulgado depois que dados oficiais da semana passada mostraram que a atividade das fábricas contraiu novamente, oferecendo uma visão geral da situação da economia no início do ano.

A economia da China está lutando para recuperar o ímpeto, enfrentando vários desafios, incluindo pressões deflacionárias persistentes, uma desaceleração prolongada do setor imobiliário e o aumento da dívida dos governos locais.

Em janeiro, o volume de novos pedidos expandiu em um ritmo mais lento, com o subíndice caindo de 53,7 em dezembro para 51,5. As empresas, portanto, aumentaram marginalmente o número de funcionários pelo segundo mês consecutivo, disse a pesquisa.

O subíndice de preços cobrados caiu pela primeira vez desde abril de 2022. A pesquisa disse que várias empresas monitoradas reduziram suas taxas para atrair novos clientes e aumentar as vendas.

"A economia enfrenta desafios significativos marcados por inúmeras incertezas e fatores adversos", disse Wang Zhe, economista sênior do Caixin Insight Group. "Esse status quo ainda não sofreu uma reversão fundamental."

O PMI Composto do Caixin/S&P caiu de 52,6 em dezembro para 52,5 no mês passado.

(Reportagem de Liangping Gao e Ryan Woo)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes