Presidente da Samsung é inocentado de acusações em caso sobre fusão de 2015

Por Joyce Lee e Hyunsu Yim

SEUL (Reuters) - O presidente da Samsung Electronics, Jay Y. Lee, foi inocentado das acusações de fraude contábil e manipulação de ações por um tribunal de Seul nesta segunda-feira, em um caso sobre uma fusão de 2015 que, segundo os promotores, foi concebida para consolidar seu controle sobre a gigante da tecnologia.

A decisão, que foi uma surpresa para pelo menos alguns analistas que esperavam uma sentença suspensa, pode fornecer a Lee um caminho mais livre na condução do maior conglomerado do país.

"Para empreendedores e líderes empresariais, seu trabalho é impulsionar a inovação e criar empregos, mas a Samsung não conseguiu fazer muito disso durante nove anos devido aos riscos legais", disse Kim Ki-chan, professor de administração da Universidade Católica da Coreia.

Devido aos problemas legais de Lee, a Samsung Electronics se tornou burocrática e avessa a riscos, acrescentou.

Lee, de 55 anos, e outros ex-executivos foram acusados de arquitetar uma fusão entre duas afiliadas da Samsung -- a Samsung C&T e a Cheil Industries -- de uma forma que passou por cima dos interesses dos acionistas minoritários.

Antes da fusão, a família Lee e entidades relacionadas controlavam a Cheil, mas não a Samsung C&T, que era uma das principais acionistas da Samsung Electronics, a joia da coroa do conglomerado Samsung.

Os promotores haviam solicitado uma pena de cinco anos de prisão. Lee negou ter cometido irregularidades, argumentando que ele e outros executivos agiram com base na crença de que a fusão beneficiaria os acionistas.

O painel de três juízes do Tribunal Distrital Central de Seul disse que a decisão da fusão foi tomada pelas diretorias das duas empresas após consideração e análise.

Continua após a publicidade

"Não se pode concluir que o único objetivo era fortalecer os direitos de gestão do réu Lee Jae-yong e facilitar sua sucessão no Grupo Samsung", disse o juiz Park Jeong-je a um tribunal lotado, usando o nome coreano de Lee.

Todos os 14 réus foram absolvidos.

A sentença impede o retorno à prisão de Lee, que foi condenado em 2017 por subornar uma amiga da ex-presidente Park Geun-hye. Ele cumpriu 18 meses de uma sentença de 30 meses e foi perdoado em 2022 pelo atual presidente do país, Yoon Suk Yeol, com o governo dizendo que ele era necessário para ajudar a superar uma "crise econômica nacional".

Se os promotores decidirem não recorrer da decisão, os problemas legais de Lee, que datam de 2016, estarão resolvidos.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes