CEO do Itaú Unibanco considera possível dividendo extraordinário também para 2024

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) -O presidente-executivo do Itaú Unibanco, Milton Maluhy Filho, afirmou nesta terça-feira que o banco não tem interesse em reter excesso de capital e que a expectativa é que banco também tenha dividendo extraordinário referente a 2024.

Em coletiva de imprensa sobre o resultado do quarto trimestre de 2023, divulgado na noite da véspera, ele não precisou uma meta de payout para este ano, além do mínimo na faixa de 30%, mas acrescentou que "é bem possível... que tenha de novo um dividendo extraordinário (anunciado) no ano que vem".

O payout do ano passado ficou em 60,3%, totalizando 21,5 bilhões de reais, com o Itaú anunciando na véspera dividendos de 11 bilhões de reais para 2023, em complemento aos valores de juros sobre capital próprio (JCP) já declarados para o exercício -- 6,2 bilhões de reais já pagos e 4,3 bilhões de reais que serão pagos no mesmo dia que os dividendos, em 8 de março.

"Não olhem esse dividendo extraordinário como um evento isolado", reforçou Maluhy Filho em teleconferência com analistas.

O Itaú reportou na segunda-feira lucro líquido recorrente de 9,4 bilhões de reais no quarto trimestre, alta de 22,6% em relação ao mesmo período do ano passado, em linha com as expectativas de analistas.

Também divulgou projeções para 2024, incluindo previsão de crescimento de 6,5% a 9,5% da carteira de crédito total, que acumulou em 2023 expansão de 3,1%, ante previsão de aumento entre 5,7% e 8,7%.

O CEO do maior banco do país explicou que o crescimento da carteira de crédito total no ano passado abaixo do guidance refletiu efeitos cambiais, chamando a atenção para o desempenho no Brasil, com expansão de 5,7%.

No quarto trimestre, o índice de inadimplência total considerando 90 dias de atraso passou a 2,8% no quarto trimestre, ante 2,9% um ano antes e 3% no terceiro trimestre.

Continua após a publicidade

De acordo com Maluhy, a expectativa é de nova redução na inadimplência do banco neste trimestre em pessoa física, uma vez que o Itaú tem produzindo safras de crédito com mais qualidade. "Isso ajuda a trazer o patamar do risco de inadimplencia para outro nivel", afirmou.

De acordo com o executivo, olhando para frente, a carteira de renegociação vem amortizando e há espaço para crescer a carteira de crédito no varejo e atacado, com uma boa oportunidade em pessoa física.

No atacado, ele afirmou que as provisões estão adequadas para as informações que o banco tem no momento e sem casos que "acendam um alerta" para o banco.

O CEO também disse que o Itaú tem exposição "absolutamente irrelevante" no caso da Gol, que pediu recuperação judicial nos Estados Unidos.

(Reportagem de Paula Arend LaierReportagem adicional de Alberto Alerigi Jr.Edição de Pedro Fonseca)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes