Equinor reduz pagamentos a acionistas e ações caem

Por Nerijus Adomaitis e Nora Buli

LONDRES (Reuters) - A Equinor disse nesta quarta-feira que reduziria seus pagamentos gerais de caixa aos acionistas este ano em 3 bilhões de dólares, fazendo com que as ações da companhia caíssem 4%, mesmo tendo divulgado um resultado operacional para o último trimestre de 2023 ligeiramente melhor do que o esperado.

O lucro ajustado antes dos impostos da produtora norueguesa de petróleo e gás para outubro-dezembro caiu para 8,68 bilhões de dólares, de 17,0 bilhões de dólares um ano antes, em meio a preços de energia mais baixos, mas superou os 8,46 bilhões de dólares previstos em uma pesquisa com 26 analistas compilada pela Equinor.

"Esperamos aumentar nosso fluxo de caixa e manter retornos competitivos", disse o CEO Anders Opedal em um comunicado.

Rivais como a BP, a Exxon Mobil, a Chevron e a Shell também superaram as previsões de lucro para o quarto trimestre, apoiadas por uma combinação de resultados comerciais sólidos e maior produção de petróleo e gás, mas algumas delas anunciaram planos para aumentar os dividendos e a recompra de ações.

A Equinor disse que seus pagamentos combinados de dividendos e recompras de ações no ano-calendário de 2024 devem chegar a 14 bilhões de dólares, abaixo dos 17 bilhões de dólares do ano passado, refletindo uma normalização dos preços do gás durante 2023.

A produção combinada de petróleo e gás do grupo aumentou 2,1% em 2023, graças a um forte final de ano, e superou a previsão da empresa divulgada em outubro de um crescimento de 1,5%.

O aumento foi impulsionado principalmente pela forte produção no campo Johan Sverdrup, o maior do Mar do Norte, e por novos poços em produção, disse a Equinor.

"O aumento da produção também foi impulsionado por contribuições do portfólio internacional, com o campo Peregrino (do Brasil) atingindo o platô de produção e o forte desempenho dos ativos offshore dos EUA", acrescentou.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Nerijus Adomaitis, em Londres, e Nora Buli, em Oslo)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes