Vendas de repelentes e inseticidas fecham 2023 em alta com aumento de casos de dengue

SÃO PAULO (Reuters) - Em meio ao aumento dos casos de dengue, que tem se acentuado no início de 2024, as vendas de repelentes e inseticidas registraram forte alta em 2023 na comparação com o ano anterior, de acordo com dados da consultoria Kantar, divulgados nesta sexta-feira.

De acordo com estudo da consultoria, empresa de dados e análises de mercado, o volume de unidades de repelente registrou alta de 27% em 2023 na comparação com o ano anterior. Já as vendas de inseticidas fecharam o ano passado com o maior volume de unidades vendidas em cinco anos, chegando a 131,8 milhões de unidades.

A pesquisa realizada pela Kantar foi realizada em 11.300 domicílios de todas as regiões e classes sociais do país.

O aumento dos casos de dengue, doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, se agravou no país nas primeiras semanas de 2024, com o Ministério da Saúde informando ao menos 40 mortes e 364,8 mil casos prováveis, quase quadruplicando o número de pessoas afetadas em relação ao mesmo período de 2023.

Em pronunciamento nacional no rádio e na TV na noite de terça, a ministra da Saúde disse que a situação de emergência da dengue exige "ações adicionais" dos entes federativos e da população. Ela anunciou a ampliação para 1,5 bilhão de reais de repasses de recursos a Estados e municípios -- a pasta já havia entregue 256 milhões de reais.

Nísia destacou ainda a instalação do centro emergencial para coordenar operações de combate à dengue com os demais entes regionais. Estados também têm adotado medidas de reforço, como São Paulo, que criou um centro específico.

(Por Eduardo Simões)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes