Conteúdo publicado há 1 mês

UE multa Apple em R$ 9,4 bilhões por impedir divulgação de streamings mais baratos

A União Europeia multou, nesta segunda-feira (4), a gigante digital Apple em 1,8 bilhão (cerca de R$ 9,4 bilhões) por impedir o serviço de música online da marca de informar os usuários sobre opções mais baratas disponíveis.

É a primeira multa aplicada pela UE à Apple por regras antimonopólio e marca o fim de um processo iniciado em 2019, após uma denúncia do gigante da música online Spotify.

A denúncia tornou-se uma investigação mais ampla em 2021, embora em 2023 a Comissão tenha decidido concentrar-se nas restrições à informação aos usuários sobre opções mais baratas com empresas concorrentes.

A Comissão Europeia - braço Executivo da UE - anunciou a multa em comunicado alegando que as investigações revelaram as práticas do gigante digital.

A Apple "proíbe os desenvolvedores de aplicativos de música em streaming de informar os usuários de iOS sobre serviços de assinatura de música alternativos e mais baratos disponíveis", afirmou a Comissão.

A comissária europeia responsável pelas regras de concorrência, Margrethe Vestager, afirmou no comunicado que "durante uma década, a Apple abusou de sua posição dominante no mercado de distribuição de aplicativos de música em streaming" por meio da loja online App Store.

De acordo com Vestager, "fizeram isso evitando que os desenvolvedores informassem os consumidores sobre serviços de música alternativos e mais baratos disponíveis fora do ecossistema da Apple".

"Isso é ilegal segundo as regras antimonopólio da UE", concluiu.

Consumidor paga caro

Esse modelo de negócios, acrescentou, poderia ter feito com que muitos usuários do sistema Apple pagassem preços "significativamente mais altos" devido às altas comissões impostas pela empresa aos desenvolvedores, que eram repassadas aos consumidores.

Continua após a publicidade

"Ordenamos à Apple que elimine as disposições necessárias e se abstenha de práticas semelhantes no futuro", explicou Vestager em entrevista coletiva.

A Apple, por sua vez, anunciou que recorrerá da decisão.

A decisão sobre a multa foi tomada "apesar de a Comissão não ter conseguido descobrir nenhuma evidência crível de danos ao consumidor", afirmou a empresa num comunicado.

"Embora respeitemos a Comissão Europeia, os fatos simplesmente não apoiam a decisão. E, como resultado, a Apple irá recorrer", disse a empresa.

O Spotify afirmou em um comunicado que a multa significa que "nenhuma empresa, nem mesmo um monopólio como a Apple, pode ter o poder de controlar como outras empresas se relacionam com seus usuários".

Apesar da magnitude da sanção, os críticos apontam que multas que ultrapassam centenas de milhões de dólares são quantias minúsculas em comparação com o faturamento da Apple. Nos últimos três meses de 2023, a Apple registrou lucros de R$ 168,2 bilhões.

Continua após a publicidade

Ninharia

Para o eurodeputado alemão Markust Ferber, "para a Apple essa multa é apenas um trocado".

A UE já multou o Google em cerca de R$ 42,6 bilhões nos últimos anos, embora a empresa americana tenha recorrido dessas sanções perante os tribunais europeus.

A Apple rejeita as acusações do Spotify, empresa que nos últimos anos se tornou o principal ator global no segmento de streaming de música.

A Apple afirma que seu serviço de música online, Apple Music, representa 8% do mercado europeu e que o Spotify tem uma participação superior a 50%.

(com AFP)

Deixe seu comentário

Só para assinantes