Bolsas

Câmbio

Ministro diz que militares não são algozes e contribuirão com reforma

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse nesta quarta-feira que não há privilégio para militares, que, em um segundo momento, no próximo ano, também terão revistas as regras relacionadas à Previdência Social.

Ele voltou a contestar dados divulgados segundo os quais militares são responsáveis por quase metade do déficit da Previdência Social. Jungmann disse ter recebido informações da Secretaria Geral e da Secretaria do Orçamento que serão detalhadas oportunamente.

De acordo com o ministro, o déficit real relacionado a militares é de R$ 13 bilhões, e não de R$ 34 bilhões. "Os militares não são os algozes desse déficit que aí está", disse.

"Ninguém pode se negar a contribuir para uma reforma que em última instância é boa para o Brasil, muito menos os militares, que têm no compromisso com o Brasil seu principal elo", afirmou. "Não acho que há algum privilégio por entrar em segundo lugar. Privilégio haveria se os militares ficassem de fora, mas não ficarão."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos