ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Juros futuros recuam com expectativa de mais um corte na Selic

07/02/2018 17h48

A poucas horas do anúncio da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), investidores colocaram mais fichas na possibilidade de o colegiado do Banco Central sinalizar a extensão do ciclo de afrouxamento monetário para março. A probabilidade de corte de 0,25 ponto percentual da meta Selic na reunião do mês subiu de 17% ontem para quase 22% nesta quarta-feira.


Ao fim do pregão regular, às 16h, o DI julho/2018 - um dos mais negociados do dia - tinha taxa de 6,610% ao ano, ante 6,615% no ajuste de ontem.O DI janeiro/2019 caía a 6,805% (6,83% no ajuste anterior).O DI janeiro/2020 cedia a 8,040% (8,07% no ajuste de terça-feira). E oDI janeiro/2021 recuava a 8,870% (8,91% também no ajuste anterior). ODI janeiro/2023, por sua vez, mostrava estabilidade, cotado a 9,59%.


Para a decisão desta noite, as apostas dos investidores indicam uma redução de 0,25 ponto. Com isso, a Selic cairia a 6,75%, deixando para trás o atual patamar de 7%, já uma mínima histórica.


A expectativa se volta para o teor do comunicado que acompanhará o anúncio da decisão. Em termos macroeconômicos, investidores enxergam elementos que justificam o BC manter a porta aberta para novo corte do juro em março. No entanto, não se descarta que o tom do texto reflita a recente turbulência e aumento de volatilidade nos mercados internacionais.


"A combinação entre inflação abaixo da meta e recuperação do crescimento devem levar o BC a continuar reduzindo o juro", diz o BNP Paribas em nota a clientes. O banco francês projeta Selic de 6,5% em março.


O cenário de inflação comportada deverá ser corroborado nesta quinta-feira pelo IPCA de janeiro. Nas contas do mercado, a alta do índice vai desacelerar para 0,40%, depois de 0,44% em dezembro.


Para o UBS, a ociosidade na capacidade instalada continuará elevada apesar da retomada econômica, enquanto as expectativas de inflação seguirão abaixo do centro da meta. "Tudo sugere que a recuperação cíclica da economia é compatível com baixa inflação ao longo de 2018", afirmam economistas do banco em relatório.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia