ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

FT: Investidor de VW reage bem a uma "aliança estratégica" com Ford

20/06/2018 11h25

As ações da Volkswagen subiram 1,5% na quarta-feira, depois de o grupo anunciar que estuda uma "aliança estratégica" com a Ford para construir veículos comerciais.

Em comunicado conjunto à imprensa publicado na ontem à noite nos Estados Unidos, as empresas informaram que estão "investigando vários produtos conjuntos" para "atender melhor a evolução das necessidades dos consumidores mundialmente". A aliança "não envolveria arranjos acionários, incluindo participações acionárias cruzadas".

O analista Max Warburton, do Bernstein, previu que os investidores vão ignorar os comentários moderados e especular que "algo maior" está em andamento, incluindo uma "troca de ativos ou até mais".

Ele destacou que os planos marcam a primeira vez em que as montadoras trabalhariam juntas desde o início da década de 90, quando colaboraram na América Latina e tiveram um projeto conjunto de uma minivan na Europa.

"Provavelmente faz sentido [ter] uma cooperação mais ampla", acrescentou o analista, uma vez que a Ford é forte no segmento de camionetes nos EUA, mas enfrenta dificuldades na Europa, enquanto a Volkswagen é forte no continente, "mas quase irrelevante nos EUA e um caso perdido nas camionetes".

A marca Volkswagen vendeu 339.676 carros e caminhões no mercado americano em 2017, uma fração dos mais de 17 milhões de veículos vendidos nos EUA.

"A escala não resolve tudo --na verdade, seria possível argumentar que raramente resolve algo", acrescentou Warburton. "Mas pode haver certa lógica em trabalhar juntos em projetos específicos."

O presidente de Mercados Mundiais da Ford, Jim Farley, disse no comunicado: "A Ford está comprometida a melhorar nosso estado como empresa e aproveitar modelos de negócios adaptativos, o que inclui trabalhar com nossos parceiros para melhorar nossa efetividade e eficiência."

Thomas Sedran, chefe de estratégia do Volkswagen Group, que tem 12 marcas, acrescentou que "ambas as companhias já possuem posições fortes e complementares em diferentes segmentos de veículos comerciais". "Para adaptar-se ao cenário desafiador, é da maior importância ganhar flexibilidade por meio de alianças."

Mais Economia