PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Mesmo piloto que sobreviveu a queda sumiu em avião misterioso 6 anos depois

Boeing 707 da Varig caiu a apenas cinco quilômetros do aeroporto de Orly em 1973 - Wikimedia Commons
Boeing 707 da Varig caiu a apenas cinco quilômetros do aeroporto de Orly em 1973 Imagem: Wikimedia Commons

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

03/04/2022 04h00Atualizada em 03/04/2022 17h34

Há 48 anos, acontecia a tragédia do voo RG820, que caiu pouco antes de conseguir pousar em Paris (França), deixando 123 mortos. Quase seis anos depois, outro voo, o RG967, desapareceu quando voava o oceano Pacífico.

Em comum, os dois voos eram operados pela extinta companhia Varig (Viação Aérea Rio-Grandense) e tinham como comandante o piloto Gilberto Araújo da Silva. Embora tenha sobrevivido ao primeiro acidente, ele desapareceu no segundo, considerado um dos maiores mistérios da aviação até os dias de hoje.

O comandante é um dos poucos pilotos do mundo envolvido em dois acidentes com vítimas fatais.

Quem foi Silva?

Paraibano, Silva nasceu em 12 de novembro 1923 no município de Santa Luzia. Por volta dos 20 anos, começou a trabalhar na manutenção de aeronaves do governo de Goiás.

Quem conta a história de Silva é a filha mais velha dele, a médica Maria Leticia Freitas Silva Chavarria. Ela diz que a entrada do pai na aviação se deu pela influência do tio do piloto, o major aviador Filon Ferrer Araújo, que trabalhava em Goiânia.

Pouco tempo depois, começou a trabalhar no aeroclube de Goiânia, fez o curso de piloto e conquistou o brevê em 1943. Silva voou para a Fundação Brasil Central, então sediada próxima às margens do Rio Xingu, onde transportou os irmãos sertanistas Villas-Bôas pelo interior do país.

Anos depois, começou na aviação comercial, na Viação Aérea Baiana, e ainda chegou a ser piloto do governo de Minas Gerais. Na década de 1960, começou a voar pela Varig após a empresa em que trabalhava, a Real Aerovias Nacional, ser adquirida pela aérea, momento em que foi morar em São Paulo.

Na Varig, pilotou o Boeing 707, avião no qual foi promovido na década de 1970 a comandante master, o mais alto grau na hierarquia entre os pilotos.

Em 1973, por ter evitado uma tragédia maior envolvendo o voo RG820 (veja mais detalhes abaixo), Silva foi condecorado pelo governo brasileiro e pelo Ministério do Transporte da França, passando a ser considerado um herói naquele país.

Em 1979, ele foi dado como morto após o desaparecimento do voo RG967.

O desastre de Orly

Em julho de 1973, Silva era o comandante do voo RG820, que saiu do Brasil com destino ao aeroporto de Orly, na França. Quando o Boeing 707 se aproximava para o pouso, teve início um incêndio a bordo causado supostamente por um cigarro descartado de maneira errada no banheiro.

A tripulação optou por pousar o avião em uma plantação de cebolas próxima à cabeceira do aeroporto para evitar uma tragédia maior. Com isso, evitaram que o avião atingisse um vilarejo, já que, dificilmente, chegaria até a pista de pouso.

A decisão do comandante de levar o avião para longe de zonas habitadas foi motivada por um acidente ocorrido um mês antes na França.

Em junho de 1973, um avião Tupolev Tu-144 que participava de demonstrações durante o Show Aéreo de Paris caiu sobre casas, matando toda a tripulação, várias pessoas no solo e deixando dezenas de feridos.

Os pilotos do RG820 não queriam repetir a tragédia, e o comandante Silva teve de colocar a cabeça para fora da janela do avião para conseguir visualizar a sua frente, já que a cabine estava tomada de fumaça.

"Já que não vamos sobreviver, não vamos matar mais pessoas lá embaixo", disse o piloto sobre aquele momento.

Apenas 11 pessoas sobreviveram e mais de 120 morreram, incluindo o então senador Filinto Müller e o cantor Agostinho dos Santos. Parte das pessoas morreu asfixiada com a fumaça, e não com a queda em si ou o fogo.

Depois desse acidente, os padrões de segurança na aviação passaram a ser revistos, incluindo a adoção de tecidos antichamas nos aviões.

Sumiço do voo Varig 967 com obras de arte caras

O voo Varig 967 partiu em janeiro de 1979 do aeroporto de Narita, no Japão, rumo ao aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, com uma escala em Los Angeles (EUA). Silva era o comandante da aeronave.

A bordo do Boeing 707 estavam materiais eletrônicos, máquinas de costura, peças de navios e quadros do artista nipo-brasileiro Manabu Mabe avaliados à época em US$ 1,2 milhão.

O avião fez contato com controle de tráfego aéreo cerca de 22 minutos após decolar. Era uma comunicação padrão, e outra deveria ser feita por volta de uma hora de voo, o que não ocorreu.

Acredita-se que o avião tenha caído sobre o Oceano Pacífico, já que, até hoje, nunca foram encontrados destroços, corpos ou sinais da queda.

Diversas teorias da conspiração surgiram, como a de que a aeronave foi atacada para que fossem roubadas as obras de arte ou de que os pilotos entraram em espaço aéreo soviético por engano e teriam sido abatidos ou mortos após o pouso.

Entretanto, a principal corrente para explicar o desaparecimento é de que houve uma despressurização lenta na cabine, e a tripulação perdeu a consciência. Após voar por um certo tempo no piloto automático, o avião teria caído no oceano.