Bolsas

Câmbio

Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://economia.uol.com.br/album/2018/01/10/os-viloes-e-os-mocinhos-da-inflacao-em-2017.htm
  • totalImagens: 17
  • fotoInicial: 1
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20180110115035
    • Economia [22373];
Fotos

A inflação oficial no Brasil fechou 2017 em 2,95%. Os bons resultados da safra puxaram para baixo os preços da maioria dos alimentos, o que ajudou a compensar a disparada de preços de outros produtos e serviços, como gás de cozinha, gasolina, plano de saúde e conta de luz. Clique nas fotos acima e veja mais exemplos do que ficou mais caro ou mais barato Reprodução/iStock/Martin Bernetti/AFP Mais

Os alimentos em geral ficaram 1,87% mais baratos no ano passado. O principal destaque ficou com as frutas, que tiveram queda de 16,52% nos preços. A maçã foi uma das campeãs: ficou 23,26% mais barata Reprodução/Cool Pictures Every Day Mais

Ele já foi um vilão da inflação, mas agora se redimiu. O feijão foi o item com maior queda de preço em 2017. O carioca caiu 46,06% e o mulatinho recuou 44,62%. O feijão preto e o fradinho também ficaram mais barato: 36,09% e 32,42%, respectivamente Getty Images Mais

Completando a parceria com o feijão, o arroz também foi destaque positivo na inflação: ficou 10,86% mais barato em 2017 iStock Mais

E o gás de cozinha? A disparada nos preços certamente afetou o orçamento de muitas famílias brasileiras. O botijão teve alta de 16% em 2017, e o gás encanado subiu 11,04% Shutterstock Mais

Quem tem carro deve ter sentido como a gasolina passou a pesar mais no fim do mês. O preço subiu 10,32% em 2017. A Petrobras mudou sua política de preços e passou a fazer reajustes frequentes, seguindo a cotação do petróleo no mercado internacional. Também teve influência o aumento de impostos sobre os combustíveis Foto: Reprodução/Internet Mais

A conta de luz voltou a subir em 2017: aumento de 10,35%. A alta foi puxada principalmente pela cobrança das bandeiras tarifárias (taxa extra) em alguns meses do ano iStock/Devonyu Mais

A conta de água e esgoto subiu em 2017 e fechou o acumulado do ano em 10,52% Martin Bernetti/AFP Mais

Para quem manteve o plano de saúde apesar da crise, as mensalidades ficaram 13,53% mais caras em 2017 iStock Mais

Educação também está entre os vilões da inflação. A creche ficou 13,23% mais cara em 2017. O ensino médio avançou 10,36% e o ensino fundamental aumentou 10,34% Getty Images Mais

Nem cebola nem tomate. A grande vilã de 2017 foi a cenoura, que fechou o ano 18,24% mais cara (a cebola ficou 0,72% mais barata e o tomate, 4,23%) Getty Images Mais

Quem gosta de peixe deve ter sentido no bolso a alta de preços. Os peixes em geral ficaram mais caros em 2017. A maior alta foi do pintado (32,47%), seguido pelo pacu (14,72%), a corvina (11,80%) e a sardinha (9,72%) Getty Images Mais

Se o peixe ficou mais caro, o frango ficou mais barato. O preço do frango inteiro recuou 8,67% em 2017 e o frango em pedaços, 5,13% Getty Images Mais

A banana também teve queda de preço. No ano passado, a fruta recuou entre 26,39% (banana d'água) e 12,29% (maçã), dependendo da variedade iStock Mais

O açúcar cristal teve queda de 22,32% em 2017. O açúcar refinado também ficou mais barato, com queda de 18,21% no acumulado do ano Reprodução/Rodale Wellness Mais

O leite também ficou mais barato em 2017. Na versão em pó, a queda foi de 9,56%. Para o leite longa vida, o recuo foi de 8,44%. O leite condensado também caiu e fechou o ano em queda de 15,54% Getty Images Mais

Para os chocólatras, a notícia é boa: o chocolate em barra e o bombom ficaram 6,51% mais baratos em 2017 iStock Mais

Os vilões e os mocinhos da inflação em 2017

Últimos álbuns de Economia

UOL Cursos Online

Todos os cursos