Direto da BolsaDireto da Redação

Cobertura de notícias sobre mercados, ações e investimentos no Brasil e no exterior

Juros podem voltar ao menor nível em breve, dizem economistas

Os recentes sinais positivos da inflação e a expectativa de que o governo vai conseguir colocar as contas públicas em ordem têm levado os economistas a prever trajetória cada vez mais consistente de queda da taxa básica de juros que pode até mesmo pavimentar o caminho para que ela retorne ao seu menor patamar histórico, a 7,25%, já no próximo ano. Embora as contas públicas ainda sejam bastante deficitárias, os economistas acreditam que as medidas fiscais adotadas pelo governo do presidente Michel Temer, sobretudo a reforma da Previdência, vão ser capazes de dar sustentação para esse cenário positivo. (Com Reuters) Leia Mais

Bolsa fecha em queda de 0,68%; ações da Petrobras caem mais de 3%

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, fechou esta quinta-feira (16) em queda de 0,68%, a 65.782,85 pontos. Na véspera, a Bovespa havia subido 2,37%, a maior alta em quase dois meses. O resultado negativo foi puxado, principalmente, pela queda de mais de 3% das ações da Petrobras e baixa dos papéis da mineradora Vale. Banco do Brasil, Bradesco e Itaú Unibanco também fecharam com resultados negativos. Essas empresas têm grande peso sobre o Ibovespa. (Com Reuters) Leia Mais

Dólar fecha em alta, a R$ 3,116, após maior queda em mais de 6 meses

O dólar comercial fechou esta quinta-feira (16) em alta de 0,14%, cotado a R$ 3,116 na venda. Na véspera, a moeda norte-americana havia caído 1,83%, a maior queda diária em mais de seis meses e o menor valor em duas semanas. O mercado ainda repercutia a decisão do banco central dos Estados Unidos (Federal Reserve, ou Fed) de subir a taxa de juros em 0,25 ponto percentual, para a faixa entre 0,75% e 1%. Apesar da alta, o Fed não indicou qualquer plano de acelerar o ritmo de aumento, reforçando a visão de mais duas altas neste ano. (Com Reuters) Leia Mais

Dólar opera quase estável, vendido perto de R$ 3,11; Bovespa cai

A Bovespa caía e o dólar comercial operava quase estável nesta quinta-feira (16). Por volta das 15h25, a moeda norte-americana tinha leve baixa de 0,06%, a R$ 3,11 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, perdia 0,69%, a 65.776,22 pontos, em sessão marcada por noticiário local intenso, incluindo decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de que a inclusão de ICMS em base de cálculo da PIS/Cofins é inconstitucional. Na véspera, o Fed (Federal Reserve, banco central dos EUA) elevou os juros pela segunda vez em três meses, para a faixa entre 0,75% e 1%, movimento que era amplamente esperado. (Com Reuters)

Bolsas da Europa fecham em alta; Espanha avança 1,85%

As principais Bolsas de Valores da Europa fecharam em alta nesta quinta-feira (16), um dia após o Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA) subir a taxa de juros no país. O índice FTSEurofirst 300 avançou 0,73%, a 1.489 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhou 0,7%, a 378 pontos, o maior nível desde dezembro de 2015. Veja o desempenho dos principais mercados europeus nesta sessão:

  • Espanha: +1,85%
  • Itália: +1,7%
  • Portugal: +0,7%
  • Inglaterra: +0,64%
  • Alemanha: +0,61%
  • França: +0,56% (Com Reuters)
Leia Mais

Dólar sobe, vendido perto de R$ 3,12; Bovespa opera em queda

A Bovespa operava em queda e o dólar comercial subia nesta quinta-feira (16). Por volta das 14h30, a moeda norte-americana tinha alta de 0,18%, a R$ 3,117 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, registrava baixa de 0,63%, a 65.816,66 pontos, em sessão marcada por noticiário local intenso, incluindo decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de que a inclusão de ICMS em base de cálculo da PIS/Cofins é inconstitucional. Na véspera, o Fed (Federal Reserve, banco central dos EUA) elevou os juros pela segunda vez em três meses, para a faixa entre 0,75% e 1%, movimento que era amplamente esperado. (Com Reuters)

Netshoes registra pedido de oferta de ações nos Estados Unidos

A Netshoes registrou pedido para realização de oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) nos Estados Unidos, com o objetivo de levantar até US$ 100 milhões. A empresa, dona das lojas online Netshoes, de artigos esportivos, e Zattini, loja de artigos de moda, usará o código de negociações NETS, caso avance com a oferta de ações nos EUA. No documento enviado à SEC (Securities and Exchange Comission, regulador do mercado de capitais dos EUA), a Netshoes informou que encerrou 2016 com 5,6 milhões de clientes ativos, alta de 18,9% ante o fim do ano anterior. No ano passado, a empresa teve ainda um aumento de 20,8% nos pedidos feitos em seus sites na internet. (Com Reuters) 

Azul planeja venda de ações e oferta pode chegar a R$ 1,65 bilhão

A companhia aérea Azul divulgou nesta quinta-feira (16) prospecto preliminar para uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) nas Bolsas do Brasil e de Nova York, nos EUA, com preço estimado de R$ 19 a R$ 23 por papel preferencial (com prioridade na distribuição de dividendos) e de US$ 18,02 a US$ 21,81 para as American Depositary Shares (ADS). Conforme documento enviado à SEC (Securities and Exchange Commission), órgão que regula o mercado de capitais norte-americano, a operação envolve uma oferta internacional e uma brasileira. Com isso, o valor da operação, considerando o teto da faixa de preço indicada, é R$ 1,656 bilhão. A empresa pediu para listar os papéis com o símbolo AZUL4 na Bovespa e AZUL na Bolsa de Nova York. (Com Reuters)  Leia Mais

BC volta a atua no mercado de câmbio

O Banco Central voltou a atuar no mercado nesta quinta-feira (16), o que não fazia desde o final de fevereiro. Nesta manhã, foram vendidos 10 mil contratos de swaps cambiais tradicionais (equivalentes à venda de dólares no mercado futuro). Com isso, o BC reduziu a US$ 9,211 bilhões o total que vence em abril e que ainda resta para rolar. Se mantiver o mesmo ritmo até o fim do mês, o BC vai rolar parcialmente os contratos, num total de US$ 5,5 bilhões. "Apesar de ter sinalizado que será uma rolagem parcial, a leitura é favorável. Seria ruim se ele não rolasse nada", disse à agência de notícias Reuters o diretor de operações da corretora Mirae Asset, Pablo Spyer, acrescentando que o mercado já trabalhava com essa expectativa.

Dólar passa a subir, vendido perto de R$ 3,12; Bovespa opera em queda

A Bovespa operava em queda e o dólar comercial passava a subir nesta quinta-feira (16). Por volta das 13h25, a moeda norte-americana tinha alta de 0,28%, a R$ 3,12 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, registrava baixa de 0,76%, a 65.733,16 pontos. Na véspera, a agência de classificação de risco Moody's decidiu melhorar a perspectiva da nota de crédito do Brasil de negativa para estável. O país, porém, continua sem 'selo' de bom pagador. O mercado também deve repercutir nesta quinta a decisão do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) de subir os juros em 0,25 ponto percentual, para a faixa entre 0,75% e 1%. (Com Reuters)

Cemig deve vender mais da metade de sua fatia na Light, diz fonte

A elétrica mineira Cemig (CMIG4) pretende vender mais da metade de sua fatia de 52% na distribuidora e geradora Light (LIGT3), em uma tentativa de reduzir sua dívida, disse à agência de notícias Reuters nesta quinta-feira (16) uma fonte com conhecimento sobre o assunto. A Cemig deve vender 11% da participação direta de 26% que detém no capital da Light, o que aconteceria em até 60 dias, e mais de um terço dos 26% que detém indiretamente, disse a fonte sob a condição de anonimato. Assumindo que a Cemig mantenha não mais de 25% na Light e que a operação seja fechada a um preço de R$ 25 por ação, o negócio poderia levantar cerca de R$ 1,4 bilhão para a elétrica mineira, disse a fonte. (Com Reuters) Leia Mais

Petrobras vai leiloar 7 sondas em audiência pública em maio

A Petrobras vai realizar um leilão internacional de sete sondas em uma audiência pública em 10 de maio, segundo informou a petroleira em uma publicação no Diário Oficial da União nesta quinta-feira (16). As sondas que serão leiloadas são Petrobras III (P-III), Petrobras X (P-X), Petrobras XVI (P-XVI), Petrobras XVII (P-XVII), Petrobras XXIII (P-XXIII), Petrobras 59 (P-59) e Petrobras 60 (P-60). (Com Reuters) 

Dólar opera quase estável, vendido perto de R$ 3,11; Bolsa cai

A Bolsa caía e o dólar comercial operava quase estável nesta quinta-feira (16). Por volta das 12h25, a moeda norte-americana tinha leve alta de 0,02%, a R$ 3,112 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, registrava queda de 0,61%, a 65.830,74 pontos. Na noite de ontem, a agência de classificação de risco Moody's decidiu melhorar a perspectiva da nota de crédito do Brasil de negativa para estável. O país, porém, continua sem 'selo' de bom pagador. O mercado também deve repercutir nesta quinta a decisão do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) de subir os juros em 0,25 ponto percentual, para a faixa entre 0,75% e 1%. (Com Reuters)

Ações da mineradora Vale operam em queda de quase 2,5%

As ações da Vale operam em queda nesta quinta-feira (16). Por volta das 11h20, os papéis ordinários (PETR3), que dão direito a voto em assembleia, tinham baixa de 2,49%, a R$ 32,49. No mesmo horário, as ações preferenciais (VALE5), com prioridade na distribuição de dividendos, caíam 2,05%, a R$ 31,03, apesar de nova alta do minério de ferro na China. Na véspera, a mineradora informou que espera receber até o fim de março US$ 733 milhões da japonesa Mitsui pela venda de participação na mina de carvão de Moatize e no Corredor Logístico de Nacala, em Moçambique. (Com Reuters)

Latam Airlines registra o primeiro lucro anual em 2016

A companhia aérea Latam Airlines divulgou na quarta-feira (15) lucro líquido de US$ 69 milhões em 2016, o primeiro resultado anual positivo desde que a companhia foi formada há quatro anos. A empresa, maior companhia aérea da América Latina, teve lucro líquido de US$ 54 milhões no quarto trimestre do ano passado. Ambos os números superaram expectativas de analistas consultados pela Reuters, que esperavam lucro de US$ 23,5 milhões em 2016, em média, e resultado positivo de US$ 8,5 milhões nos três últimos meses do ano. (Com Reuters) Leia Mais

Dólar e Bolsa operam em queda; moeda é vendida perto de R$ 3,10

A Bolsa e o dólar comercial operavam em queda nesta quinta-feira (16). Por volta das 11h15, a moeda norte-americana recuava 0,23%, a R$ 3,104 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, tinha baixa de 0,37%, a 65.991,88 pontos. Na noite de ontem, a agência de classificação de risco Moody's decidiu melhorar a perspectiva da nota de crédito do Brasil de negativa para estável. O país, porém, continua sem 'selo' de bom pagador. O mercado também deve repercutir nesta quinta a decisão do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) de subir os juros em 0,25 ponto percentual, para a faixa entre 0,75% e 1%. (Com Reuters)

Bolsa opera quase estável, e dólar cai, vendido perto de R$ 3,10

A Bolsa operava quase estável, e o dólar comercial caía nesta quinta-feira (16). Por volta das 10h10, a moeda norte-americana recuava 0,35%, a R$ 3,10 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, tinha leve alta de 0,07%, a 66.279,93 pontos. Na noite de ontem, a agência de classificação de risco Moody's decidiu melhorar a perspectiva da nota de crédito do Brasil de negativa para estável. O país, porém, continua sem 'selo' de bom pagador. O mercado também deve repercutir nesta quinta a decisão do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) de subir os juros em 0,25 ponto percentual, para a faixa entre 0,75% e 1%. (Com Reuters)

Dólar abre o dia operando em alta, vendido perto de R$ 3,12

O dólar comercial abriu os negócios desta quinta-feira (16) operando em alta, após cair 1,83% na véspera. Por volta das 9h, a moeda norte-americana subia 0,21%, a R$ 3,119 na venda. Na noite de ontem, a agência de classificação de risco Moody's decidiu melhorar a perspectiva da nota de crédito do Brasil de negativa para estável. O país, porém, continua sem 'selo' de bom pagador. O mercado também deve repercutir nesta quinta a decisão do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) de subir os juros em 0,25 ponto percentual, para a faixa entre 0,75% e 1%. (Com Reuters)

Bolsa da China vai ao maior nível em 3 meses; Hong Kong sobe 2%

A Bolsa da China fechou em alta de 0,86% nesta quinta-feira (16), chegando ao maior nível em mais de três meses, desde o início de dezembro. Em Hong Kong, o mercado disparou 2,08%. O resultado das Bolsas da Ásia e do Pacífico foi influenciado pela decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), na véspera, de subir os juros em 0,25 ponto percentual, para a faixa de 0,75% a 1%. Veja as variações dos mercados da região:

  • Japão: +0,07%
  • Hong Kong: +2,08%
  • China: +0,86%
  • Coreia do Sul: +0,8%
  • Taiwan: +1%
  • Cingapura: +0,83%
  • Austrália: +0,2%. (Com Reuters)
Leia Mais

Agência melhora perspectiva da nota de crédito de SP e Belo Horizonte

A Moody's melhorou a perspectiva da nota de crédito do Estado de São Paulo e do município de Belo Horizonte de negativa para estável, informou a agência de classificação de risco nesta quinta-feira (16). Mesmo com a mudança, SP e Belo Horizonte continuam com notas Ba2 e Ba3, respectivamente. Com isso, os locais seguem sem grau de investimento, que é considerado uma espécie de "selo" de bom pagador de dívidas. A agência manteve a perspectiva de crédito de Minas Gerais como negativa. (Com Reuters)

Conversor de moedas

Resultado:

Câmbio

Dólar comercial - 27/06/2017 12h10
Compra Venda Variação
Dólar com. 3,3150 3,3155 +0,42%
Dólar tur. 3,3000 3,5000 +2,04%
Euro 3,7411 3,7432 +1,51%
Libra 4,2360 4,2397 +1,09%
Pesos arg. 0,2015 0,2019 -0,25%

Fonte Thompson Reuters

Veja outras cotações

Bolsas de Valores

Bovespa - 27/06/2017 12h18 - 62.235,08
Variação
Brasil | Bovespa +0,08%
EUA | Nasdaq -0.31%
França | CAC 40 -0.59%
Japão | Nikkei +0.36%

Fonte Thompson Reuters

Veja outras cotações

Ações em destaques

Ação Variação Cotação
Veja outras cotações

Commodities

Venda Variação
Petróleo (Brent) US$ 44,580 +3,32%
Ouro US$ 1247,610 -0,07%
Prata US$ 16,650 -0,18%
Platina US$ 926,000 +0,2%
Paládio US$ 869,500 +0,08%

Fonte Thompson Reuters

Inflação

Índice Mês Valor
IPCA mai.17 +0,31%
IPC-Fipe mai.17 -0,06%
IGP-M mai.17 -0,93%
INPC mai.17 +0,36%

Fonte Thompson Reuters

Indicadores

Valor Atualização
Salário Mínimo R$ 937,00 2017
Global 40 +112,32% 27.Jun.2017
TR +0,05% 27.Jun.2017
CDI +10,14% 27.Jun.2017
SELIC +10,25% 31.mai.2017
IPCA +0,31% mai.17

Fonte Thompson Reuters

Últimas notícias

UOL Cursos Online

Todos os cursos