Bolsas

Câmbio

Ao VivoDireto da BolsaDireto da Redação

Cobertura de notícias sobre mercados, ações e investimentos no Brasil e no exterior

Empresas da Bolsa perdem R$ 219 bi em valor de mercado

O valor de mercado das empresas listadas na Bolsa brasileira despencou em R$ 219 bilhões nesta quinta-feira (18). Consideradas apenas as empresas do Ibovespa, principal índice da Bolsa, a perda foi de R$ 195,8 bilhões em valor de mercado, segundo a consultoria Economatica. O valor de mercado de uma empresa é calculado multiplicando o preço da ação pelo número de papéis no mercado. A maior perda de valor no dia foi da Petrobras: -R$ 27,4 bilhões. A segunda maior perda em valor de mercado no pregão foi Itaú Unibanco, de R$ 26,7 bilhões. Leia Mais

Dólar dispara 8,15%, a R$ 3,389, e Bolsa despenca 8,8% após delação da JBS

dólar comercial disparou nesta quinta-feira (18) e fechou em alta de 8,15%, cotado a R$ 3,389 na venda, em um dia de pânico no mercado brasileiro e com forte intervenção do Banco Central. Na véspera, o dólar havia subido 1,23%. O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, despencou 8,8%, a 61.597,06 pontos. Foi o maior tombo desde 22 de outubro de 2008, no auge da crise financeira internacional, quando caiu 10,18%. Na véspera, a Bolsa havia caído 1,67%. O mercado reagiu após o jornal "O Globo" publicar, na véspera, delação de Joesley Batista, um dos sócios da JBS, que envolve diretamente o presidente Michel Temer. Para especialistas, o governo foi fortemente abalado, assim como a continuidade das reformas, consideradas essenciais para a economia. Em pronunciamento nesta tarde, Temer disse que não irá renunciar(Com Reuters) Leia Mais

Temer diz que fica, e dólar dispara 8%, a R$ 3,39, e Bolsa tomba 8,2%

dólar comercial disparava mais de 7% nesta quinta-feira (18), e a Bolsa despencava mais de 8%, em dia de pânico no mercado financeiro. Por volta das 16h20, a moeda operava em alta de 8,22%, a 61.989,44 na venda, após o presidente Michel Temer afirmar em pronunciamento oficial que não renunciará ao cargo. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, despencava 8,76%, a 61.622,25 pontos. Na véspera, o jornal "O Globo" divulgou que Joesley Batista, um dos sócios da JBS, gravou uma conversa em que Temer autoriza pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. Temer admite o encontro, mas nega a conversa. O mercado de dólar, que normalmente abre às 9h, só abriu às 10h40, com investidores esperando para negociar a moeda. Já a Bolsa foi suspensa logo após a abertura pelo mecanismo de circuit breaker, mas voltou a operar por volta das 10h50. Especialistas afirmam que o governo foi fortemente abalado e, assim, a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso Nacional devem ser afetadas. (Com Reuters)

Ações da JBS despencam 10% após denúncias contra Temer

As ações da JBS (JBSS3) despencavam 10,11%, a R$ 8,54 por volta das 16h10 desta quinta-feira (18). Os mercados estão turbulentos após o jornal "O Globo" revelar, na noite de ontem, que os donos da JBS (da marca Friboi) gravaram uma conversa com o presidente Michel Temer em que ele teria dado autorização para pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. (Com Reuters)

Após Temer ser denunciado, dólar dispara 6%, a R$ 3,32, e Bolsa tomba 7,5%

dólar comercial disparava mais de 6% nesta quinta-feira (18), e a Bolsa despencava mais de 7%, em dia de pânico no mercado financeiro. Por volta das 15h40, a moeda operava em alta de 6,07% a R$ 3,324 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, despencava 7,46%, a 62.503,82 pontos. Na véspera, o jornal "O Globo" divulgou que Joesley Batista, um dos sócios da JBS, gravou uma conversa em que o presidente Michel Temer autoriza pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. Temer admite o encontro, mas nega a conversa. O mercado de dólar, que normalmente abre às 9h, só abriu às 10h40, com investidores esperando para negociar a moeda. Já a Bolsa foi suspensa logo após a abertura pelo mecanismo de circuit breaker, mas voltou a operar por volta das 10h50. Especialistas afirmam que o governo foi fortemente abalado e, assim, a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso Nacional devem ser afetadas. (Com Reuters)

BC aumenta intervenção no mercado e faz 4º leilão de dólar no dia

Para tentar conter a disparada do dólar, o Banco Central intensificou a intervenção no mercado e realiza nesta quinta-feira (18) o quarto leilão de swap cambial tradicional do dia. A operação equivale à venda futura de dólares. O BC ofertou inicialmente 40 mil swaps no primeiro leilão. Em seguida, anunciou um segundo leilão, ofertando os 15.325 swaps que "sobraram" da primeira operação. O terceiro leilão de swap disponibilizou 40 mil contratos. Logo depois, o BC anunciou um quarto leilão, com oferta de 10.750 contratos. (Com Reuters) Leia Mais

Petrobras e outras empresas brasileiras despencam na Bolsa dos EUA

As ADRs (American Depositary Receipts, equivalente às ações na Bovespa) de empresas brasileiras na Bolsa dos Estados Unidos despencavam nesta quinta-feira (18). Por volta das 15h30 (horário de Brasília), as ADRs da Petrobras caíam cerca de 15,6%, as do Itaú, 16,6%, as do Bradesco, 15,94%, as da Ambev, 10,43%, e as da Vale, 5,39%. Os mercados estão turbulentos após o jornal "O Globo" revelar, na noite de ontem, que os donos da JBS (da marca Friboi) gravaram uma conversa com o presidente Michel Temer em que ele teria dado autorização para pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. (Com Reuters)

Ações da JBS despencam quase 12% após denúncias contra Temer

As ações da JBS (JBSS3) despencavam 11,79%, a R$ 8,38 por volta das 15h20 desta quinta-feira (18). Os mercados estão turbulentos após o jornal "O Globo" revelar, na noite de ontem, que os donos da JBS (da marca Friboi) gravaram uma conversa com o presidente Michel Temer em que ele teria dado autorização para pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. (Com Reuters)

Ações de empresas europeias com negócios no Brasil fecham em queda

As principais Bolsas da Europa fecharam em queda nesta quinta-feira (18), com o recuo das ações de empresas com negócios no Brasil. Os papéis do grupo Casino, dono do Pão de Açúcar, da Telefónica, dona da Vivo e da Telecom Italia, dona da Tim, se desvalorizaram. O mercado foi afetado pelas denúncias envolvendo o presidente Michel Temer e por preocupações com a capacidade do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de concretizar políticas de estímulo ao crescimento. Veja as variações das Bolsas:

  • Inglaterra: -0,89%
  • Frankfurt: -0,33%
  • França: -0,53%
  • Itália: +0,07%
  • Espanha: -0,94%
  • Portugal: -0,85%. (Com Reuters)
Leia Mais

Gráficos de dólar e Bolsa do UOL voltam a funcionar normalmente

Os gráficos de dólar e de Bolsa do UOL Economia voltaram a funcionar normalmente nesta quinta-feira (18). Os gráficos enfrentaram instabilidade no início da tarde devido a problemas técnicos gerados pelo grande número de acessos. 

Após Temer ser denunciado, dólar dispara 8%, a R$ 3,37, e Bolsa tomba 9%

dólar comercial disparava quase 8% nesta quinta-feira (18), e a Bolsa despencava mais de 9%, em dia de pânico no mercado financeiro. Por volta das 14h30, a moeda operava em alta de 7,5% a R$ 3,37 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, despencava 9,4%, a 61.135,56 pontos.  Na véspera, o jornal "O Globo" divulgou que Joesley Batista, um dos sócios da JBS, gravou uma conversa em que o presidente Michel Temer autoriza pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. Temer admite o encontro, mas nega a conversa. O mercado de dólar, que normalmente abre às 9h, só abriu às 10h40, com investidores esperando para negociar a moeda. Já a Bolsa foi suspensa logo após a abertura pelo mecanismo de circuit breaker, mas voltou a operar por volta das 10h50. Especialistas afirmam que o governo foi fortemente abalado e, assim, a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso Nacional devem ser afetadas. (Com Reuters)

Gráficos de dólar e Bolsa do UOL enfrentam instabilidade

Os gráficos de dólar e de Bolsa do UOL Economia enfrentam instabilidade nesta quinta-feira (18), devido a problemas técnicos gerados pelo grande número de acessos. A equipe responsável já está trabalhando para resolver a situação. 

Bolsa despenca mais de 9% após denúncias envolvendo Temer

Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, despencava mais de 9% nesta quinta-feira (12), repercutindo as acusações da noite da véspera envolvendo o presidente Michel Temer. Por volta das 14h10, o índice operava em queda de 9,16%, a 61.353.02 pontos. A Bolsa voltou a operar após ter seus negócios interrompidos pelo mecanismo de circuit breaker às 10h21, com o índice marcando queda de 10,47%, a 60.470 pontos. Eles ficaram interrompidos por 30 minutos e, quando voltaram, às 10h51, operavam em queda de 10,48%. As denúncias envolvendo Temer vieram à tona na noite passada, quando o jornal "O Globo" publicou que Joesley Batista, um dos controladores do frigorífico JBS, gravou Temer concordando com pagamentos para manter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. (Com Reuters)

Dólar dispara 8%, vendido perto de R$ 3,39, em dia de pânico

dólar comercial disparava cerca de 8% nesta quinta-feira (18), em dia de pânico no mercado financeiro. Por volta das 13h35, a moeda operava em alta de 8,07%, a R$ 3,387 na venda. As operações, que normalmente abrem às 9h, só começaram às 10h40, com investidores esperando para negociar a moeda. Na véspera, o jornal "O Globo" divulgou que Joesley Batista, um dos sócios da JBS, gravou uma conversa em que o presidente Michel Temer autoriza pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. Temer admite o encontro, mas nega a conversa. Especialistas afirmam que o governo foi fortemente abalado e, assim, a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso Nacional devem ser afetadas. (Com Reuters)

Ações da JBS despencam mais de 14% após denúncias contra Temer

As ações da JBS (JBSS3) despencavam 14,84%, a R$ 8,09 por volta das 13h10 desta quinta-feira (18). Os mercados estão turbulentos após o jornal "O Globo" revelar, na noite de ontem, que os donos da JBS (da marca Friboi) gravaram uma conversa com o presidente Michel Temer em que ele teria dado autorização para pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. (Com Reuters)

Bolsa despenca mais de 9% após denúncias envolvendo Temer

Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, despencava mais de 9% nesta quinta-feira (12), repercutindo as acusações da noite da véspera envolvendo o presidente Michel Temer. Por volta das 13h, o índice operava em queda de 9,1%, a 61.396,21 pontos. A Bolsa voltou a operar após ter seus negócios interrompidos pelo mecanismo de circuit breaker às 10h21, com o índice marcando queda de 10,47%, a 60.470 pontos. Eles ficaram interrompidos por 30 minutos e, quando voltaram, às 10h51, operavam em queda de 10,48%. As denúncias envolvendo Temer vieram à tona na noite passada, quando o jornal "O Globo" publicou que Joesley Batista, um dos controladores do frigorífico JBS, gravou Temer concordando com pagamentos para manter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. (Com Reuters)

Ações da Petrobras despencam 15% na Bolsa dos EUA; Vale tomba 6%

As ADRs (American Depositary Receipts, equivalente às ações na Bovespa) da Petrobras e da mineradora Vale despencavam na Bolsa dos Estados Unidos. Por volta das 12h25 (horário de Brasília), as ADRs da Petrobras caíam cerca de 14,67%, e as da Vale, 6,32%. Os mercados estão turbulentos após o jornal "O Globo" revelar, na noite de ontem, que os donos da JBS (da marca Friboi) gravaram uma conversa com o presidente Michel Temer em que ele teria dado autorização para pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. (Com Reuters)

Relator da reforma trabalhista suspende tramitação do projeto no Senado

O relator da reforma reforma trabalhista no Senado, Ricardo Ferraço (PSDB-ES), anunciou nesta quinta-feira (18) que o calendário de tramitação da proposta está suspenso devido à crise política instaurada com a divulgação de gravação com o presidente Michel Temer dando autorização para a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. "A crise institucional que estamos enfrentando é devastadora e precisamos priorizar a sua solução, para depois darmos desdobramento ao debate relacionado à reforma trabalhista", disse Ferraço. ""Portanto, na condição de relator do projeto, anuncio que o calendário de discussões anunciado está suspenso. Não há como desconhecer um tema complexo como o trazido pela crise institucional. Todo o resto agora é secundário." (Com Reuters) Leia Mais

Dólar dispara mais de 7%, vendido acima de R$ 3,35, em dia de pânico

dólar comercial disparava mais de 7% nesta quinta-feira (18), em dia de pânico no mercado financeiro. Por volta das 12h30, a moeda disparava 7,01%, a R$ 3,353 na venda. As operações, que normalmente abrem às 9h, só começaram às 10h40, com investidores esperando para negociar a moeda. Na véspera, o jornal "O Globo" divulgou que Joesley Batista, um dos sócios da JBS, gravou uma conversa em que o presidente Michel Temer autoriza pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. Temer admite o encontro, mas nega a conversa. Especialistas afirmam que o governo foi fortemente abalado e, assim, a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso Nacional devem ser afetadas. (Com Reuters)

BC nega que Temer tenha antecipado decisão sobre corte de juros

O Banco Central afirmou nesta quinta-feira (18) que não existe possibilidade de antecipação das decisões do Copom (Comitê de Política Monetária) sobre a taxa básica de juros, a Selic, porque elas são tomadas apenas durante as reuniões do órgão. O comunicado é uma resposta a informação divulgada pela Folha de S.Paulo de que o presidente Michel Temer antecipou ao empresário Joesley Batista a decisão do Copom de cortar os juros em 1 ponto percentual, em abril. Segundo a Folha, Joesley tratou sobre o assunto com a Procuradoria-Geral da República na sua delação premiada. O BC diz que "no âmbito de suas competências legais, apura informações recebidas de várias fontes com vistas a eventual abertura de processo punitivo". (Com Reuters) Leia Mais

Meirelles e presidente do BC terão reunião hoje após escândalo com Temer

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, terá reunião às 17h30 desta quinta-feira (18) com o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, em meio à forte turbulência nos mercados após notícia de que o presidente Michel Temer teria dado autorizado a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. O Ministério da Fazenda também informou que a reunião de Meirelles com o diretor-executivo do FMI, Alexandre Tombini, foi antecipada e ocorreu pela manhã. (Com Reuters)

Bolsa despenca quase 9% após denúncias envolvendo Temer

Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, despencava quase 9% nesta quinta-feira (12), repercutindo as acusações da noite da véspera envolvendo o presidente Michel Temer. Por volta das 12h, o índice caía 8,63%, a 61.714,68 pontos. A Bolsa voltou a operar após ter seus negócios interrompidos pelo mecanismo de circuit breaker às 10:21, com o índice marcando queda de 10,47%, a 60.470 pontos. Eles ficaram interrompidos por 30 minutos e, quando voltaram, às 10h51, operavam em queda de 10,48%. As denúncias envolvendo Temer vieram à tona na noite passada, quando o jornal O Globo publicou que Joesley Batista, um dos controladores do frigorífico JBS, gravou Temer concordando com pagamentos para manter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha.

Dólar opera em alta de quase 8% e encosta em R$ 3,38, em dia de pânico

dólar comercial opera em forte alta nesta quinta-feira (18), em dia de pânico no mercado financeiro. Por volta das 11h30, a moeda disparava 7,75%, a R$ 3,376 na venda. As operações, que normalmente abrem às 9h, só começaram às 10h40, com investidores esperando para negociar a moeda. Na véspera, o jornal "O Globo" divulgou que Joesley Batista, um dos sócios da JBS, gravou uma conversa em que o presidente Michel Temer autoriza pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. Temer admite o encontro, mas nega a conversa. Especialistas afirmam que o governo foi fortemente abalado e, assim, a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso Nacional devem ser afetadas. (Com Reuters)

Bolsa reabre após ser suspensa e opera em queda de mais de 10%

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, voltou a operar após ter seus negócios interrompidos pelo mecanismo de circuit breaker nesta quinta-feira (18). Por volta das 11h10, o índice recuava 10,16%, a 60.675,44 pontos. O mercado repercute as acusações da noite da véspera envolvendo o presidente Michel Temer. Os negócios foram parados às 10:21, com o índice marcando queda de 10,47%, a 60.470 pontos. Eles ficaram interrompidos por 30 minutos e, quando voltaram, às 10h51, operavam em queda de 10,48%. As denúncias envolvendo Temer vieram à tona na noite passada, quando o jornal O Globo publicou que Joesley Batista, um dos controladores do frigorífico JBS, gravou Temer concordando com pagamentos para manter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha.

Dólar chega a subir mais de 8% e passa de R$ 3,40, em dia de pânico

dólar comercial opera em forte alta nesta quinta-feira (18), em dia de pânico no mercado financeiro. Por volta das 10h40, a moeda subia 8,82%, a R$ 3,41 na venda. As operações, que normalmente começam às 9h, demoraram a iniciar, com investidores esperando para negociar a moeda. Na véspera, o jornal "O Globo" divulgou que Joesley Batista, um dos sócios da JBS, gravou uma conversa em que o presidente Michel Temer autoriza pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. Temer admite o encontro, mas nega a conversa. Especialistas afirmam que o governo foi fortemente abalado e, assim, a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso Nacional devem ser afetadas. (Com Reuters) Leia Mais

Ações da Petrobras despencam 17% na Bolsa dos EUA; Vale tomba 8%

As ADRs (American Depositary Receipts, equivalente às ações na Bovespa) da Petrobras e da mineradora Vale despencavam na Bolsa dos Estados Unidos. Por volta das 10h40 (horário de Brasília), as ADRs da Petrobras caíam cerca de 17%, e as da Vale, 8%. Os mercados estão turbulentos após o jornal "O Globo" revelar, na noite de ontem, que os donos da JBS (da marca Friboi) gravaram uma conversa com o presidente Michel Temer em que ele teria dado autorização para pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. (Com Reuters)

Bolsa despenca mais de 10% e é paralisada logo após início do pregão

O principal índice da Bovespa teve seus negócios interrompidos pelo mecanismo de circuit breaker após desabar mais de 10% no início do pregão desta quinta-feira, repercutindo as acusações da noite da véspera envolvendo o presidente Michel Temer. Os negócios foram parados às 10:21, com o índice marcando queda de 10,47%, a 60.470 pontos. Os negócios ficam interrompidos por 30 minutos e, segundo as regras da Bolsa, se na volta dos negócios a queda do índice atingir 15% ante o fechamento da véspera, os negócios são suspensos por uma hora. As denúncias envolvendo Temer vieram à tona na noite passada, quando o jornal O Globo publicou que Joesley Batista, um dos controladores do frigorífico JBS, gravou Temer concordando com pagamentos para manter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Leia Mais

Escândalo deixa mercado paralisado, sem negociar dólar comercial

Apesar de as operações de câmbio começarem diariamente às 9h, o dólar comercial ainda não teve negócios nesta quinta-feira (18). Segundo a agência de notícias Reuters, com o nervosismo do mercado, os investidores não estão negociando a moeda. Por isso, o gráfico de dólar no UOL Economia ainda apresenta os valores da véspera. O jornal "O Globo" divulgou que Joesley Batista, um dos sócios da JBS, gravou uma conversa em que o presidente Michel Temer autoriza pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. Temer admite o encontro, mas nega a conversa. Já o dólar futuro operava no limite de alta de 6%, a R$ 3,325. Especialistas afirmam que o governo foi fortemente abalado e, assim, a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso Nacional devem ser afetadas. (Com Reuters)

BC vai aumentar interferência no mercado para tentar conter alta do dólar

O Banco Central decidiu aumentar a interferência no mercado de câmbio para tentar conter a disparada do dólar nesta quinta-feira (18), após denúncias envolvendo o presidente Michel Temer. O banco vai ofertar até 40 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares. A oferta é de novos contratos e não para rolar o vencimento de contratos já existentes. Anteriormente, a previsão era que o BC apenas rolasse o vencimento de 8.000 contratos nesta quinta. A maior interferência do banco acontece após o jornal "O Globo" divulgar na véspera que Joesley Batista, um dos sócios da JBS, gravou uma conversa em que o presidente Michel Temer autoriza pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. Temer admite o encontro, mas nega a conversa. (Com Reuters)

Ações de empresas europeias com negócios no Brasil operam em queda

As ações de empresas europeias com negócios no Brasil operavam em queda nesta quinta-feira ((18), reagindo às denúncias envolvendo o presidente Michel Temer. Os papéis do grupo varejista francês Casino, dono do Pão de Açúcar recuavam quase 4%, os da Telefónica, dona da marca Vivo no Brasil, perdiam cerca de 2%, e as da Telecom Italia, da Tim, caíam 4%. As ações da montadora alemã Volkswagen e da fabricante de bebidas ABInBev, dona da Ambev, também operavam no vermelho, com baixas de 1,5% e 2%, respectivamente. (Com Reuters) Leia Mais

Tesouro e BC dizem que estão monitorando impacto do noticiário político

O Tesouro Nacional se manifestou, por meio de nota na manhã desta quinta-feira (18), dizendo que a instituição "permanece monitorando os impactos decorrentes dos fatos políticos mais recentes". Sem mencionar as novas denúncias políticas, o breve comunicado informa que o Tesouro "adotará as medidas necessárias para assegurar a plena funcionalidade e a adequada liquidez dos mercados". O BC (Banco Central) também já havia informado que está monitorando o impacto das informações recentemente divulgadas pela imprensa de que o presidente Michel Temer foi gravado por um empresário dando aval para suposta compra de silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na Operação Lava Jato. (Com Estadão Conteúdo) Leia Mais

Dólar no mercado futuro dispara e atinge limite de 6%, a R$ 3,325

As negociações com dólar comercial no mercado à vista ainda não abriram nesta quinta-feira (18), mas o dólar futuro (contrato de compra ou venda de dólar no futuro) disparou e atingiu o limite máximo permitido de R$ 3,325. Segundo a B3 (antiga Bovespa), o limite do dólar futuro é de 6%, para cima ou para baixo. Uma vez atingido esse limite, só podem sair negócios dentro desse nível de cotação. Na véspera, o jornal "O Globo" divulgou que Joesley Batista, um dos sócios da JBS, gravou uma conversa em que o presidente Michel Temer autoriza pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. Temer admite o encontro, mas nega a conversa 

Após áudio envolvendo Temer, mercado ainda não teve operações com dólar

Apesar de as operações de câmbio começarem diariamente às 9h, o dólar comercial ainda não teve negócios nesta quinta-feira (18). Segundo a agência de notícias Reuters, com o nervosismo do mercado, os investidores não estão negociando a moeda. Na véspera, o jornal "O Globo" divulgar na véspera que Joesley Batista, um dos sócios da JBS, gravou uma conversa em que o presidente Michel Temer autoriza pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. Temer admite o encontro, mas nega a conversa. Já o dólar futuro disparava 5,63%. Especialistas afirmam que o governo foi fortemente abalado e, assim, a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso Nacional devem ser afetadas. (Com Reuters)

BC diz que monitora cenário e atuará para garantir funcionamento do mercado

O Banco Central disse nesta quinta-feira (18) que vai monitor o cenário diante das denúncias envolvendo o presidente Michel Temer para definir como atuará. Segundo o banco, a política de juros não tem relação "direta e mecânica" com a crise política. "O Banco Central está monitorando o impacto das informações recentemente divulgadas pela imprensa e atuará para manter a plena funcionalidade dos mercado, disse o comunicado. (Com Reuters)

Dólar pode bater R$ 3,30 com escândalo envolvendo Temer, diz economista

O escândalo envolvendo o presidente Michel Temer deve causar um forte impacto no câmbio e o dólar pode bater R$ 3,30, segundo o economista Helcio Takeda, da Pezco. "Esse nível é completamente possível, porém subir mais do que isso em apenas um dia eu acho pouco provável", comenta. Ressaltando que ainda não se sabe de fato o teor das gravações envolvendo Temer e o sócio da JBS Joesley Batista, Takeda avalia que não há nenhum cenário positivo no futuro. "O que seria preferível? Afastar o presidente, deixar o país sem comando, derrubar a agenda de reformas e colocar a economia de novo em recessão? Ou fazer um 'acordão' e tentar tocar em frente com o que se tem?", questionou. (Com Agência Estado)

Bolsas da Ásia fecham em queda, afetadas por crise política nos EUA

As Bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam em queda nesta terça-feira (18), afetada pelo cenário políticos dos Estados Unidos, após revelações que apontam laços entre o presidente Donald Trump e a Rússia. A crise política lançou dúvidas sobre o futuro das políticas para incentivar o crescimento que Trump prometeu. O índice japonês Nikkei perdeu mais de 1%. Veja as variações dos mercados da região:

  • Japão: -1,32%
  • Hong Kong: -0,62%
  • China: -0,45%
  • Coreia do Sul: -0,17%
  • Taiwan: -0,44%
  • Cingapura: -0,08%
  • Austrália: -0,82%. (Com Reuters)
Leia Mais

Ações da Petrobras e da Vale despencam mais de 10% no pré-mercado dos EUA

As ADRs (American Depositary Receipts, equivalente às ações na Bovespa) da Petrobras e da mineradora Vale despencavam no pré-mercado da Bolsa dos Estados Unidos. O pré-mercado é o período que antecede a abertura da Bolsa, quando as negociações de compra e venda de ações são registradas, mas a venda e a compra em si ainda não são efetivamente realizadas. Por volta das 7h30 (horário de Brasília), as ADRs da Petrobras caíam cerca de 16%, e as da Vale, 10%. O dia deve ser de turbulência após o jornal "O Globo" revelar, na noite de ontem, que os donos da JBS (da marca Friboi) gravaram uma conversa com o presidente Michel Temer em que ele teria dado autorização para pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. (Com Reuters)

Conversor de moedas

Resultado:

Câmbio

Dólar comercial - 26/05/2017 16h59
Compra Venda Variação
Dólar com. 3,2647 3,2654 -0,54%
Dólar tur. 3,1300 3,3900 -0,59%
Euro 3,6389 3,6398 -0,21%
Libra 4,1768 4,1794 +0,15%
Pesos arg. 0,2035 0,2038 -0,05%

Fonte Thompson Reuters

Veja outras cotações

Bolsas de Valores

Bovespa - 26/05/2017 17h20 - 64.085,41
Variação
Brasil | Bovespa +1,36%
EUA | Nasdaq +0.08%
França | CAC 40 -0.01%
Japão | Nikkei +0.16%

Fonte Thompson Reuters

Veja outras cotações

Ações em destaque

Ação Variação Cotação
Veja outras cotações

Commodities

Venda Variação
Petróleo (Brent) US$ 50,500 0,0%
Ouro US$ 1267,340 0,0%
Prata US$ 17,400 0,0%
Platina US$ 963,400 +0,01%
Paládio US$ 797,450 0,0%

Fonte Thompson Reuters

Inflação

Índice Mês Valor
IPCA abr.17 +0,14%
IPC-Fipe abr.17 +0,61%
IGP-M abr.17 -1,1%
INPC abr.17 +0,08%

Fonte Thompson Reuters

Indicadores

Valor Atualização
Salário Mínimo R$ 937,00 2017
Global 40 +112,32% 29.Mai.2017
TR +0,08% 29.Mai.2017
CDI +11,13% 29.Mai.2017
SELIC +11,25% 12.abr.2017
IPCA +0,14% abr.17

Fonte Thompson Reuters

Últimas notícias

UOL Cursos Online

Todos os cursos