PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Saída de Brandão é mais um capítulo de intervenção do governo, diz entidade

Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

do UOL, em Brasília

18/03/2021 19h42Atualizada em 18/03/2021 23h36

A renúncia do presidente do Banco do Brasil, André Brandão, foi vista com preocupação pelo Centro de Liderança Política (CLP), entidade de formação de gestores públicos.

Na avaliação do cientista político e fundado da entidade, Luiz Felipe D'Avila, a saída de Brandão é "mais um capítulo do drama que se iniciou com a intervenção na Petrobras".

"Enquanto o BC age para combater a inflação, a renúncia do presidente do BB, André Brandão, é mais um baque na agenda liberal prometida por Bolsonaro em campanha, colocando em risco a credibilidade do país no cenário internacional e dificultando ainda mais a recuperação econômica", disse D'Avila à coluna.

O cientista político afirmou ainda que é preciso que o Congresso preste atenção nessas mudanças após posturas intervencionistas do governo.
"Infelizmente é mais um capítulo do drama que se iniciou com a intervenção na Petrobras. Que o governo e o Congresso se atentem para o risco que essas posturas populistas representam", afirmou.

Segunda troca

Brandão é o segundo presidente do BB a deixar o cargo no governo Bolsonaro. Em setembro de 2020, o economista Rubem Novaes renunciou ao cargo.

Na época, Novaes afirmou que decidiu deixar o cargo por "não se adaptar à cultura de privilégios, compadrio e corrupção de Brasília". Ele não quis citar um fato específico e disse que se referia ao ambiente político da capital do país.

Fritura antiga

O desgaste de Brandão no comando do BB já vinha de meses. A saída do executivo já era dada como certa por auxiliares do presidente. Brandão foi um dos nomes escolhidos por Guedes para compor o governo.

No início do ano, o anúncio de uma reformulação no banco fez o presidente demonstrar seu desconforto com o executivo a ponto de "pedir sua cabeça". Na ocasião, Guedes conseguiu segurar a demissão.

Apesar disso, o desgaste não foi superado e, após a mudança no comando da Petrobras - com a indicação do general Joaquim Silva e Luna para o lugar de Roberto Castello Branco, a saída de Brandão era tida no governo como questão de tempo.

PUBLICIDADE