PUBLICIDADE
IPCA
0,25 Fev.2020
Topo

Cotações


Saída de dólar supera entrada em US$ 44,8 bi em 2019, pior saldo em 37 anos

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Do UOL, em São Paulo

08/01/2020 15h19Atualizada em 08/01/2020 21h14

O Brasil fechou 2019 com maior volume na saída de moeda estrangeira em relação às entradas. De acordo com dados divulgados hoje pelo Banco Central, o fluxo cambial ficou negativo em US$ 44,768 bilhões no ano passado.

O resultado é o pior da série histórica disponibilizada pelo BC, com início em 1982. Apenas em dezembro do ano passado, as saídas de dólares do país superaram as entradas em US$ 17,612 bilhões.

O fluxo financeiro, no entanto, registrou saída líquida de US$ 62,24 bilhões. Apenas na bolsa de valores, a retirada por investidores estrangeiros chegou a US$ 44,5 bilhões no ano passado, a maior desde o início da série história da B3, em 2004.

O recorde anterior de retiradas líquidas tinha sido registrado em 1999, quando o fluxo cambial — diferença entre as entradas e saídas de dólares — tinha ficado negativo em US$ 16,18 bilhões. Na ocasião, o país tinha abandonado a política de bandas cambiais e permitido a livre flutuação do dólar, quando a cotação ultrapassou pela primeira vez a barreira dos R$ 2.

Cotação

Ao longo do segundo semestre do ano passado, o dólar subiu e chegou a encostar em R$ 4,26 no fim de novembro. A cotação, no entanto, reduziu a alta em dezembro até fechar 2019 com alta de 3,6%. Apesar da fuga de investidores estrangeiros, a bolsa atraiu mais investidores brasileiros, encerrando 2019 com alta de 31,5%.

Diversos fatores contribuíram para a turbulência cambial no ano passado. No plano internacional, as tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China; a instabilidade política em diversos países da América do Sul e os aumentos de juros do Federal Reserve (Banco Central norte-americano) estimularam a alta do dólar.

No Brasil, a queda da taxa Selic (juros básicos da economia) para 4,5% ao ano reduziu a entrada de dólares no país, mas a aprovação da reforma da Previdência, no fim do ano passado, provocou alívio temporário no câmbio.

(Com informações da Reuters e da Agência Brasil)

Cotações