PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Cotações

Dólar tem maior alta semanal em 3 meses e vai a R$ 5,255; Bolsa cai 1,25%

Do UOL, em São Paulo

08/07/2021 17h24Atualizada em 08/07/2021 22h36

O dólar comercial emendou hoje sua oitava alta consecutiva, de 0,29%, e encerrou o dia a R$ 5,255 na venda. É o maior valor de fechamento desde 26 de maio, quando a moeda americana alcançou os R$ 5,313. Com isso, a moeda acumulou alta semanal de 4%, a maior desde a semana de 26 de março (4,67%).

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores brasileira (B3), caiu 1,25%, a 125.427,77 pontos, acumulando baixa de 1,72% na semana

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

Preocupações com a economia global

O movimento do dólar segue tendência no mercado internacional, com investidores procurando aplicações mais seguras. Segundo Dan Kawa, CIO da TAG Investimentos, há expectativa de um crescimento mais fraca no mundo no segundo semestre, com a disseminação da variante delta do coronavírus.

Com essa tendência, aumenta a procura por dólares, o que faz a cotação da moeda subir.

Tensões políticas

No Brasil, todos os olhares estavam voltados para Brasília. Como não há sinais muito preocupantes sobre os indicadores econômicos e a pandemia "parece estar começando a arrefecer" no país, disse à Reuters Mehanna Mehanna, sócio diretor da Phi Investimentos, a desvalorização do real reflete o aumento nas tensões políticas.

Vale destacar que, nos últimos sete dias, sem contar a valorização de hoje, o dólar recuperou toda a queda que teve no mês de junho, e o desempenho que a gente teve nesses pregões destoou de outros mercados emergentes.
Mehanna Mehanna, da Phi Investimentos

Na terça-feira (6), a ministra Rosa Weber, do STF (Supremo Tribunal Federal), encaminhou à Polícia Federal o inquérito que investiga o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por possível crime de prevaricação nas negociações para compra da vacina Covaxin, desenvolvida pelo laboratório indiano Bharat Biotech.

Paralelamente, no Senado, a CPI da Covid deu ontem sua primeira ordem de prisão, do ex-diretor de logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, acusado de mentir durante seu depoimento à comissão. Ele foi solto após pagamento de fiança.

(Com Reuters)

Cotações