IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Empreendedorismo


Recém-formada vende moto, abre franquia de estética e fatura R$ 60 milhões

Afonso Ferreira

Do UOL, São Paulo

13/05/2015 06h00

Quando se formou em administração, em 2006, Marisa Peraro, então aos 28 anos (hoje tem 37), não tinha dinheiro para abrir o negócio próprio. Foi a venda de sua moto que garantiu o capital inicial. O veículo, uma Honda CBR de 1.100 cc, rendeu R$ 17 mil. Com o dinheiro, ela abriu a franquia de estética Pró-Corpo. Hoje, com 15 unidades, a rede fatura R$ 60 milhões anuais (dados de 2014). O lucro não foi divulgado.

No início, a empresa apenas negociava cirurgias plásticas, fazendo a ponte entre clientes e clínicas. Para atrair público, a empresária distribuía panfletos em shoppings da capital paulista. “Também nessa época já fazíamos anúncios na internet”, afirma.

Três anos depois, a empreendedora abriu uma clínica própria. Além da cirurgia plástica, o espaço oferecia outros serviços de estética, como drenagem linfática, depilação a laser e até remoção de tatuagem. Os serviços tiveram boa aceitação, segundo ela, e puxaram o crescimento da empresa.

As clínicas oferecem 23 tipos de tratamento para o combate de estria, celulite, flacidez, gordura localizada, pelos e rugas. Cada sessão pode custar de R$ 40 (drenagem linfática) a R$ 800 (remoção de rugas com CO2). Como a maior parte das vendas é feita por pacotes, o gasto médio por cliente é de R$ 1.000, de acordo com a empresária.

Ideia de negócio surgiu em trabalho da faculdade

A empresa nasceu do trabalho de conclusão do curso de administração no qual a empresária se formou pela Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba). Nascida em Londrina (379 km de Curitiba), ela se mudou para o interior paulista para estudar e abriu o negócio em São Paulo, onde o potencial de clientes era maior.

A tarefa final do curso consistia em montar um plano de negócio. Cunhada de um cirurgião plástico, a empresária pesquisou o mercado e viu que o ramo de estética crescia a taxas elevadas. “Minha proposta foi oferecer o serviço com preço acessível e melhores condições de pagamento", diz.

Incentivada pelo marido e pelo sogro, ela colocou o plano em prática ao término da graduação. “No começo foi bem difícil, trabalhamos muito para conquistar nossa clientela”, afirma. Segundo a empresária, a rede investe R$ 3 milhões por ano em divulgação na internet. O resultado é a atração de 3.000 a 4.000 novos clientes todos os meses, de acordo com ela.

Na tentativa de se diferenciar no mercado, a empresária oferece o serviço de “personal estetic”, uma profissional que avalia o problema de cada cliente e indica o tratamento mais adequado. “É comum uma cliente querer um tratamento porque ouviu falar dele, mas nem sempre esse procedimento é o mais indicado para o caso dela”, declara.

Para expandir o negócio com mais rapidez, a empresa aderiu ao modelo de franquias em 2011. Atualmente, a rede está em fase de reajuste dos valores de investimento e, por isso, não divulgou os custos para abrir uma unidade.

Vender patrimônio é decisão arriscada e deve ser planejada

Vender um bem material, como um carro ou uma moto, para abrir um negócio é uma decisão que envolve riscos e precisa ser cuidadosamente planejada, segundo Juliana Chehouan, consultora do Sebrae-SP (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo).

A especialista diz que é comum empreendedores venderem um bem para formar o investimento inicial. No entanto, muitas vezes, eles se esquecem de fazer uma reserva de dinheiro para cobrir os custos do negócio até ele chegar ao ponto de equilíbrio, que é quando a receita da empresa passa a ser suficiente para pagar suas despesas.

“Ter o capital inicial é só uma das etapas para abrir um negócio. É preciso ter dinheiro em caixa para mantê-lo enquanto ele não der lucro”, afirma. Apesar do risco da perda de dinheiro caso a empresa fracasse, Chehouan diz que se desfazer de um bem é uma opção mais vantajosa do que um empréstimo bancário.

“Pegar empréstimo para abrir uma empresa é mais arriscado porque o negócio já vai começar com dívida”, declara. “E, como a empresa não dará lucro nos primeiros meses, o valor pode aumentar, gerando um débito ainda maior para o empresário.”

Onde encontrar:

Pró-Corpo Estética Avançada: www.procorpoestetica.com.br

Empreendedorismo