Após Santander, Bradesco também tem saque 'adiantado' do FGTS; vale a pena?

Téo Takar

Colaboração para o UOL, em São Paulo

  • Arte UOL

O saque das contas inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) começam a ser liberados a partir de sexta-feira (10), mas os bancos estão de olho em quem não quer ou não pode esperar para colocar a mão no dinheiro. 

O Santander saiu na frente e oferece, desde janeiro, uma linha de antecipação do crédito do FGTS, semelhante à oferecida para antecipar restituição de Imposto de Renda ou 13º salário. O financiamento cobra juros entre 2,59% a 4,59% ao mês, dependendo do relacionamento do cliente com o banco.

Nos últimos dias, o Bradesco também lançou uma linha de crédito específica para a antecipação dos recursos das contas inativas do FGTS, com taxa a partir de 2,5% ao mês e valores entre R$ 200 e R$ 30 mil. O vencimento do empréstimo deve coincidir com o mês previsto para o cliente conseguir sacar o FGTS e não pode passar de 31 de julho, conforme o calendário definido pelo governo.

O Itaú Unibanco disse que já oferece diversas linhas de crédito para o cliente usar de acordo com a sua necessidade e, por isso, não pretende lançar uma linha direcionada aos recursos do FGTS inativo.

A Caixa Econômica Federal também disse que não pretende lançar um novo produto.

O Banco do Brasil, por sua vez, afirmou que estuda oferecer uma linha de crédito vinculada ao saque do FGTS inativo, mas não há nada definido por enquanto. Em fevereiro, o presidente do BB, Paulo Caffarelli, declarou que o banco vai se esforçar para captar esse dinheiro de todas as formas possíveis. "Queremos atrair esses recursos, seja para boas oportunidades de quitação de dívidas pelos clientes, seja ofertando investimentos adequados ao perfil de cada investidor."

Vale a pena?

Antes de correr para o banco em busca da antecipação do saque do FGTS inativo, é bom tomar alguns cuidados.

Preste atenção na taxa de juros

Os especialistas afirmam que só vale a pena pegar a linha de crédito se for para pagar outras dívidas com taxas de juros mais altas, como o cheque especial ou o cartão de crédito. Mesmo assim, preste atenção na taxa que o banco vai cobrar de você, pois ela pode variar de 2,5% a mais de 4,5% ao mês, dependendo do banco e do seu relacionamento com a instituição.

"4,5% é uma taxa altíssima para um empréstimo com garantia firme [com baixo risco de calote para o banco], como o saque do FGTS. Não faz sentido cobrar uma taxa tão alta. É preciso ficar atento a isso, mesmo que você tenha outras dívidas mais caras para pagar", afirma a professora Myrian Lund, da Fundação Getulio Vargas (FGV).

"Se você pesquisar um pouco, provavelmente vai encontrar taxas melhores na concorrência ou dentro do mesmo banco, como um empréstimo consignado, por exemplo", afirma Miguel Oliveira, diretor executivo de estudos e pesquisas da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade).

Renegocie a dívida primeiro, antes de trocar por outra

Pode parecer racional trocar a dívida do cartão de crédito ou do cheque especial, que têm taxas acima de 13% ao mês, por um empréstimo vinculado ao FGTS, com juros de 4,5% ao mês.

"O banco vai estimular você a pegar esse novo empréstimo, mas sem te dar desconto na outra dívida. Não faça isso. Negocie primeiro a dívida atual. Reduza o tamanho dela. Só então avalie se vale a pena tomar uma nova dívida para pagar a antiga", orienta Myrian Lund.

Verifique se você realmente vai poder sacar o dinheiro

O maior risco para o trabalhador que pretende sacar o FGTS inativo é a burocracia. O dinheiro aparece no extrato, mas isso não necessariamente significa que é só chegar e sacar. Veja se você tem os documentos e cumpre todos os requisitos necessários para o saque.

"Historicamente, tirar dinheiro de FGTS, de seguro-desemprego, aposentadoria e de outros benefícios é um processo burocrático. Uma vírgula fora de lugar, um nome errado ou a falta de um número podem dificultar a vida do trabalhador", afirma Mauro Calil, especialista em investimentos do Banco Ourinvest.

"Se você tomar o empréstimo no banco e não conseguir sacar o FGTS, vai ter que se virar depois para pagar essa dívida."

Tenha paciência e espere o dinheiro sair

De acordo com o calendário estabelecido pelo governo, o primeiro lote de saque do FGTS inativo sairá no dia 10 de março, para quem faz aniversário em janeiro ou fevereiro. O último lote estará disponível a partir de 14 de julho, para os aniversariantes de dezembro.

Vale a pena antecipar um valor que você receberá em breve?", questiona Reinaldo Domingos, presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros). "Só pegue esse empréstimo em casos extremos, como emergência de saúde ou quando a pessoa já está pagando taxas de juros muito altas, como no cheque especial ou cartão de crédito", diz.

Mesmo nesses casos, segundo Domingos, a troca de uma dívida por outra só resolve temporariamente o problema das contas fora de controle. "Antes de simplesmente buscar essa antecipação do FGTS, é necessário um bom diagnóstico financeiro para combater o que está gerando esse problema."

Saiba como sacar o dinheiro das contas inativas do FGTS

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos