PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Finanças pessoais

Brasileiro quer liberdade para saque, mas deixa dinheiro parado por 11 anos

Téo Takar

Do UOL, em São Paulo

12/03/2019 04h00

O brasileiro prefere investir em produtos financeiros que permitam sacar a qualquer momento, ainda que o dinheiro fique aplicado por vários anos. Uma em cada cinco pessoas que guardam suas economias na poupança mantém seu dinheiro lá há mais de 19 anos. O prazo médio de investimento na poupança é de 11 anos, segundo um estudo feito pela Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) com apoio do Datafolha.

O problema é que, quanto maior a liquidez do investimento, normalmente menor é sua rentabilidade. Para ganhar mais, dizem os especialistas, o ideal é fazer justamente o contrário: diversificar os investimentos, abrindo mão da liquidez em parte dos recursos e aplicando em produtos que só permitam saque no vencimento ou após um prazo determinado.

"Em geral, o brasileiro tem medo de não poder sacar a qualquer momento. Daí ele busca investimentos que tenham o atributo da liquidez, ainda que não faça uso dele e deixe o dinheiro lá por vários anos", afirmou Ana Leoni, superintendente de educação e informações técnicas da Anbima.

Conforme o estudo da entidade, a liquidez da aplicação financeira é o fator levado em conta por 77% dos brasileiros na hora de investir. A poupança é, de longe, a opção preferida. Entretanto, entre os que investem na caderneta, 52% deixam o dinheiro aplicado por mais de 5 anos.

"É como a pessoa que assina todos os canais da televisão a cabo, mas mal assiste à TV ou só assiste aos canais abertos. Paga uma fortuna todo mês para ter um benefício que não é aproveitado", disse Leoni.

Segundo a especialista, o investidor deveria distribuir seu patrimônio entre produtos que tenham liquidez imediata, mas com baixa rentabilidade, e investimentos com prazos mais longos e datas de saque determinadas, que oferecem um retorno maior.

"A poupança deveria ser destinada apenas à reserva de emergência, aquele dinheiro que você realmente precisa sacar a qualquer momento, e não para aplicações de longo prazo. Assim como não faz sentido um plano de previdência privada durar só sete anos, em média. O ideal seria manter o plano, no mínimo, por dez anos", disse Leoni.

Conforme o estudo da Anbima, mais da metade (58%) das pessoas que investem em previdência privada mantém o produto por menos de cinco anos. Apenas 12% possuem planos com mais de 10 anos de duração. Os títulos públicos oferecidos no Tesouro Direto, que são um tipo de investimento com perfil de longo prazo, são mantidos pelo brasileiro por apenas três anos, em média.

Entre os títulos privados, como CDBs, LCAs e LCIs emitidos por bancos e debêntures emitidas por empresas, o prazo médio de aplicação é de sete anos, mesmo período destinado pelos investidores às moedas estrangeiras. Fundos de investimento e ações são mantidos por seis anos, em média.

A aplicação em moedas digitais é a que apresenta duração mais curta entre os produtos analisados, de apenas dois anos. Vale lembrar que o produto também é muito recente: o bitcoin, por exemplo, foi criado há dez anos.

A pesquisa da Anbima entrevistou 3.452 pessoas de 152 municípios do país, economicamente ativos, inativos que possuem renda e aposentados, das classes A, B e C, com idade a partir dos 16 anos. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, com nível de confiança de 95%.

Finanças pessoais