PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Petróleo, crise hídrica e crescimento do país: como isso afeta a Bolsa?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Colaboração para o UOL, em São Paulo

16/07/2021 04h00

Alta do petróleo, crise hídrica e retomada econômica: o que isso pode afetar os seus investimentos? Com este cenário, o que esperar da Bolsa? O assunto foi abordado no programa Investimento Ao Vivo, do UOL Economia+, em parceria com a casa de análise Levante Ideias de Investimento.

Para o economista Rafael Bevilacqua e a especialista em investimento Julia Reis, o país está vivendo uma retomada econômica e tem uma projeção de crescimento "mais otimista" este ano.

Assista ao vídeo abaixo e confira toda a análise feita pelos economistas. Eles também responderam a perguntas sobre investimentos. O programa Investimento Ao Vivo é transmitido quinzenalmente na página inicial do UOL e do UOL Economia+, mas fica disponível para consulta. O vídeo é exclusivo para assinantes.

Crescimento econômico e inflação

O analista Rafael Bevilacqua disse que o crescimento econômico reflete diretamente no preço das ações. "O bolo está crescendo, e se a economia está crescendo, a receita de grande parte das empresas cresce também, impactando a cotação das ações", afirmou.

Para Júlia Reis, é importante acompanhar a inflação, que cresceu 8,03% nos últimos 12 meses. Para conter a alta dos preços, o Banco Central tem aumentado a taxa de juros (hoje, a Selic está em 4,25% ao ano). "Isso acaba ajudando a renda fixa. Os títulos começam a ficar mais atrativos", afirmou Rafael Bevilacqua.

Crise hídrica pode impactar o crescimento econômico

A crise hídrica no país impacta diretamente as empresas de geração e distribuição de energia. "Elas já têm contratada a quantidade de energia que vão fornecer e, caso não consigam cumprir o contrato por conta dessa crise hídrica, vão ter que comprar energia mais cara, como as térmicas", explicou Júlia Reis. O principal modal energético do Brasil é a hidrelétrica.

Para Bevilacqua, esse cenário pode afetar o crescimento econômico do país. "Se o país crescer 10%, há energia para isso? Não, não há energia. Se o país continuar nesse retomada econômica forte, mas a crise hídrica continuar, podemos entrar naquele espiral negativo", disse.

Os especialistas recomendam que o investidor "tome cuidado" com ações das empresas desse setor, devido à existência de risco. "Tirando as empresas de transmissão [de energia], ficar com um pezinho atrás em relação a esse setor que parece estável, mas tem grandes complicações", declarou Bevilacqua.

Ingerência política no preço do combustível

O principal ponto em relação à cotação do barril de petróleo é o impacto nos preços dos seus subprodutos, como gasolina e diesel.

"O petróleo deve continuar em alta até o final do ano, mas isso acaba sendo uma pedra no sapato do Planalto. Afinal, combustível mais caro não é popular. E combustível impacta também na inflação", explicou Bevilacqua.

Para ele, se o petróleo continuar subindo, pode haver ingerência política para não repassar o aumento para o combustível. "E isso de alguma forma azeda as ações da Petrobras", disse.

Os especialistas avaliam que, diante da retomada econômica e do avanço da vacinação no país, a Bolsa deve subir em julho. "Julho deve ser um mês de alta, mas muita acontece", disse.

Queremos falar com você

Fique atento às notificações do seu email, pois caso haja alguma modificação na sua carteira, você será avisado.

Acompanhe também os boletins diários preparados por Felipe Bevilacqua, com análises do cenário macroeconômico e do noticiário corporativo. Você recebe esse boletim todos os dias, antes da abertura do mercado, para começar o dia com as informações das quais precisa. Ainda não recebe os emails? Se inscreva aqui na newsletter do UOL Economia+.

Tem alguma dúvida sobre algum investimento? Pode enviar para o Felipe: duvidasparceiro@uol.com.br

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo analista Felipe Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL