PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Opinião: Criptomoedas desabam com aumento de riscos na economia global

Com novo cenário global, veremos que criptomoedas vão sobreviver ao teste do tempo - Shutterstock
Com novo cenário global, veremos que criptomoedas vão sobreviver ao teste do tempo Imagem: Shutterstock
Conteúdo exclusivo para assinantes

Rafael Bevilacqua

27/05/2022 09h26

Esta é a versão online da edição de hoje da newsletter Por Dentro da Bolsa. Para assinar este e outros boletins e recebê-los diretamente no seu email, cadastre-se aqui.

O mercado de criptomoedas tem sofrido duras perdas nas últimas semanas, em meio à deterioração das perspectivas para a economia global e ao consequente aumento dos juros que tem sido observado em algumas das principais economias do mundo.

O bitcoin (BTC), a primeira e a mais famosa das criptomoedas, saiu de US$ 46 mil no dia 1° de abril para US$ 28 mil nesta sexta-feira (27). Isso representa uma desvalorização de 39% em menos de 2 meses.

O ethereum (ETH), a segunda maior criptomoeda do mercado, sofreu uma desvalorização ainda mais impressionante no mesmo período, saindo de US$ 3.400 para US$ 1.700 - uma desvalorização de 50%.

Ao entrar mais a fundo no mercado de altcoins, como são conhecidas as criptomoedas que não são o bitcoin, encontramos ativos que pareciam promissores, mas que praticamente viraram pó nos últimos meses.

Para entender esse fenômeno, é preciso compreender os motivos por trás da disparada do mercado cripto nos últimos anos.

Mesmo antes da pandemia, os criptoativos vinham em alta, diante do cenário de elevada liquidez global e taxas de juros baixas, o que favorece os ativos de risco. Com o início da crise sanitária, os bancos centrais ao redor do mundo adotaram medidas ainda mais flexíveis no que diz respeito à política monetária, cortando juros e intensificando programas de compra de ativos.

Diante do aumento repentino da liquidez nos principais mercados globais, bem como a redução abrupta da rentabilidade da renda fixa, cresceu ainda mais o apetite por ativos que ofereciam a possibilidade de retornos exorbitantes, mesmo que às custas de um risco elevado.

Ao longo da pandemia, o bitcoin disparou de preço e atingiu patamares recordes, enquanto diversas altcoins obtiveram valorizações explosivas, despertando o interesse de cada vez mais investidores.

Diante desse otimismo exacerbado, uma série de ativos sem fundamentos sólidos, como moedas inspiradas em memes da internet, atingiram patamares de preço que beiravam a irracionalidade.

Contudo, com o arrefecimento da pandemia e o retorno à normalidade econômica, ficou muito mais fácil separar o joio do trigo, e mesmo os bons criptoativos, como bitcoin e ethereum, devolveram parte dos ganhos acumulados durante o período de juro real negativo, "coronavouchers" e inflação sob controle.

A curva chegou para os pilotos de reta do mercado cripto, e aqueles que não conheciam bem a pista se chocaram violentamente contra o muro da realidade. Agora, com inflação elevada, juros em alta ao redor do mundo e um cenário desafiador pela frente, conheceremos quais são os verdadeiros gênios desse novo mercado e quais os ativos capazes de sobreviver ao teste do tempo.

Leia no 'Investigando o Mercado' (exclusivo para assinantes do UOL Investimentos): informações sobre a aquisição do Grupo Big pelo Carrefour.

Um abraço,

Rafael Bevilacqua
Estrategista-chefe e sócio-fundador da Levante

**********
NA NEWSLETTER UOL INVESTIMENTOS

Nesta semana, a newsletter UOL Investimentos mostra como comprar uma casa de R$ 300 mil investindo R$ 1.000 por mês. Saiba como aproveitar seus investimentos para realizar um sonho como o da casa própria. Para se cadastrar e receber a newsletter semanal, clique aqui.

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para duvidasparceiro@uol.com.br.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.