PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Veja 3 setores da Bolsa que estão baratos e têm alto potencial de ganho

Conteúdo exclusivo para assinantes

Rafael Bevilacqua

24/05/2022 09h03

Hoje falaremos sobre o que esperar da Bolsa brasileira em meio às incertezas do momento atual, marcado pela alta da inflação global, valorização das commodities e aumento dos juros nos Estados Unidos.

Confira a seguir o comentário de Rafael Bevilacqua, estrategista-chefe e sócio-fundador da casa de análise Levante Ideias de Investimento, sobre o tema. Todos os dias, Bevilacqua traz notícias e avaliações de empresas de capital aberto para você tomar as melhores decisões de investimento. Este conteúdo é acessível para os assinantes do UOL. O UOL tem uma área exclusiva para quem quer investir seu dinheiro de maneira segura e lucrar mais do que com a poupança. Conheça!

Bolsa oferece oportunidades no longo prazo

Após um primeiro trimestre positivo para o mercado brasileiro de ações, quando os investidores estrangeiros realizaram aportes expressivos na Bolsa, uma série de mudanças no cenário macroeconômico global contribuiu para uma piora de humor dos mercados.

Nesse contexto, a tendência de alta do Ibovespa —principal índice de ações da Bolsa brasileira— foi revertida, e uma série de ações de qualidade sofreram desvalorizações difíceis de explicar.

Por mais desesperador que esse cenário possa parecer no curto prazo, surgem com ele uma série de oportunidades para os investidores que olham para um horizonte de tempo mais longo.

Companhias de setores perenes e altamente rentáveis têm sido negociadas a preços historicamente baixos na B3, próximos dos valores observados no momento mais crítico da pandemia do coronavírus.

Bancos

O primeiro setor que merece destaque neste momento é o financeiro, especialmente no caso dos grandes bancos. Essas companhias possuem fundamentos sólidos e têm reportado excelentes resultados nos últimos trimestres, a despeito do cenário desafiador, mas o bom desempenho não tem se revertido em valorização das ações do setor.

Além disso, os grandes bancos tendem a se beneficiar do aumento da Selic —a taxa básica de juros—, uma vez que, em um cenário de juros mais altos, é possível aumentar o spread bancário, como é chamada a diferença entre os juros pagos na captação de recursos e os juros cobrados em operações de empréstimo e financiamento.

Energia elétrica e saneamento

Outro setor que merece atenção especial é o de "utilities", ou seja, serviços de utilidade pública, como energia elétrica e saneamento.

Esse setor é conhecido pela alta previsibilidade de receitas e tende a pagar bons dividendos recorrentemente. Assim, para os investidores com visão de longo prazo, as ações de empresas de "utilities" podem ser vistas como um bom investimento devido aos preços atrativos de muitos desses ativos.

Tanto bancos quanto serviços de utilidade pública figuram entre os setores mais consistentes da Bolsa, sendo, portanto, menos sujeitos às oscilações do mercado, ideais para investidores que querem entrar no mercado de ações, mas não desejam correr grandes riscos.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.