PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

De olho no exterior, Cosan compra marca de lubrificantes dos EUA

AMANDA PEROBELLI
Imagem: AMANDA PEROBELLI
Conteúdo exclusivo para assinantes

Rafael Bevilacqua

25/05/2022 09h22

Hoje comentaremos a mais recente compra da holding brasileira Cosan, que pagou US$ 479 milhões pela norte-americana Stryker Intermediate Holdings, Inc., proprietária da marca de lubrificante PetroChoice.

Confira a seguir o comentário de Rafael Bevilacqua, estrategista-chefe e sócio-fundador da casa de análise Levante Ideias de Investimento, sobre o tema. Todos os dias, Bevilacqua traz notícias e avaliações de empresas de capital aberto para você tomar as melhores decisões de investimento. Este conteúdo é acessível para os assinantes do UOL. O UOL tem uma área exclusiva para quem quer investir seu dinheiro de maneira segura e lucrar mais do que com a poupança. Conheça!

Cosan compra marca PetroChoice

A Cosan, holding com investimentos nas marcas Raízen, Rumo, Compass Gas & Energia e Moove, anunciou na noite de segunda-feira (23), através de fato relevante, a compra da totalidade das ações da Stryker Intermediate Holdings, Inc., proprietária da marca de lubrificante PetroChoice.

O valor total pago na transação foi de US$ 479 milhões, e a transação foi feita por meio de uma nova subsidiária, Millennium Moove Corp, oriunda da sua atual subsidiária Moove —braço de atuação da Cosan no segmento de lubrificantes.

A PetroChoice atua na distribuição e comercialização de lubrificantes da marca Mobil e de outras marcas próprias nos Estados Unidos. Hoje, a companhia distribui cerca de 240 milhões de litros de lubrificantes por ano, além de possuir ativos distribuídos em 25 estados. Dentre eles, duas plantas de mistura de lubrificantes e mais de 50 centros de distribuição.

Conforme antecipado no último resultado da Cosan, a holding já havia manifestado seu interesse em ampliar sua presença no mercado internacional, tanto pelo crescimento das operações já existentes, como pela aquisição de novas operações.

Dito isso, vemos a aquisição com alto potencial de sinergia para o portfólio da Moove, que já atua em outros países da América do Sul, na Europa e nos Estados Unidos.

Assim, o investimento no segmento de lubrificantes deve expandir a representatividade da marca Moove dentro do resultado da Cosan. No resultado do primeiro trimestre de 2022, aproximadamente 6,4% do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) gerado pela holding, o equivalente a R$ 173,4 milhões, veio da marca de lubrificantes. Vale lembrar que a companhia apresentou uma boa execução durante o último período, conseguindo repassar preços e controlar custos na sua operação.

Por fim, nós esperamos que após a consolidação do crescimento da Moove, esta venha a abrir capital no médio/longo prazo.
Na terça-feira (24), as ações da Cosan fecharam em alta de 1,76%, cotadas a R$ 19,67.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.