IPCA
0,26 Set.2023
Topo

OPINIÃO

Economia da China ameaça a recuperação da Bolsa brasileira

Getty Images
Imagem: Getty Images

Rafael Bevilacqua

15/08/2022 11h42

Esta é a versão online da edição de hoje da newsletter Por Dentro da Bolsa. Para assinar este e outros boletins e recebê-los diretamente no seu email, cadastre-se aqui.

Nas últimas semanas, a Bolsa brasileira tem passado por uma forte recuperação, que se intensificou após a deflação de 0,68% em julho. Por aqui, a economia tem dado sinais de melhora, com o recuo da inflação abrindo o caminho para o fim da alta dos juros, o que tem contribuído para o bom desempenho do Ibovespa. Apesar do otimismo doméstico, o cenário externo ainda é desafiador, principalmente para o principal parceiro comercial do Brasil: a China. A economia chinesa vem desacelerando nos últimos anos, processo que se intensificou após a pandemia do coronavírus.

O setor imobiliário chinês passa por uma crise sem precedentes, e agora outros setores da economia do país têm começado a apresentar resultados mais fracos.

Além da crise imobiliária, a política de covid zero do governo chinês tem contribuído para a desaceleração da atividade no país, uma vez que lockdowns têm sido implementados em importantes zonas industriais e comerciais da China.

Em julho, tanto a indústria quanto o varejo da China apresentaram desempenho abaixo do esperado. A produção industrial cresceu 3,8% na comparação anual, enquanto as vendas no varejo cresceram 2,7% no mesmo intervalo.

A desaceleração da atividade no gigante asiático tem provocado a desvalorização de uma série de commodities nos mercados internacionais, com destaque para o minério de ferro, que era negociado a US$ 104,53 na Bolsa de Dalian nesta segunda-feira (15).

Em resposta aos dados mais fracos do que o esperado, o Banco Central da China anunciou um corte da taxa de juros de referência em dez pontos-base, para 2,75%.

Com minério de ferro e petróleo em queda, o pregão desta segunda-feira (15) hoje promete ser desafiador para a Bolsa brasileira, que fechou em alta de 2,77% na sexta-feira (12), aos 112.764 pontos.

Leia no 'Investigando o Mercado' (exclusivo para assinantes UOL, que possuem acesso integral ao conteúdo de UOL Investimentos): informações sobre os resultados da JBS no segundo trimestre de 2022.

Um abraço,

Rafael Bevilacqua
Estrategista-chefe e sócio-fundador da Levante

**********
NA NEWSLETTER INVESTIMENTOS

A newsletter Investimentos explica se comprar carro ou imóveis pode ser considerado investimento e o que é preciso avaliar antes de tomar essas decisões. Para se cadastrar e receber a newsletter semanal, clique aqui.

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para duvidasparceiro@uol.com.br.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.