FMI reduz previsão de crescimento mundial em 2016 a 3,4%

Washington, 19 Jan 2016 (AFP) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou nesta terça-feira em baixa sua previsão para o crescimento da economia mundial em 2016, a 3,4%, com um alerta sobre riscos substanciais que afetam especialmente as economias emergentes, como a do Brasil.

Este prognóstico representa um avanço em relação aos 3,1% de 2015, mas está 0,2 ponto percentual abaixo da previsão de outubro do ano passado.

A economia mundial alcançaria um crescimento de 3,6% em 2017, indica o FMI na atualização das perspectivas mundiais.

"Projeta-se que a recuperação da atividade mundial seja mais gradual" que o previsto em outubro passado, "especialmente no caso das economias de mercados emergentes e em desenvolvimento", disse a entidade financeira.

Para os técnicos do FMI, a desaceleração da economia chinesa, a queda dos preços das matérias primas e as tensões nas quais se encontram submetidas algumas das principais economias de mercados emergentes "continuarão pesando sobre as perspectivas de crescimento em 2016-2017".

"Enfrentamos sobressaltos este ano, particularmente no mundo emergente e em desenvolvimento", disse o economista-chefe do FMI, Maurice Obstfeld, em uma coletiva de imprensa em Londres.

Evitar o descarrilamentoOs riscos para as perspectivas mundiais "continuam se inclinando à baixa" e estão relacionados com "os ajustes que estão ocorrendo na economia mundial", indicou o Fundo.

Entre estes ajustes, o FMI mencionou a queda progressiva das condições monetárias extraordinariamente acomodatícias nos Estados Unidos.

De acordo com o FMI, se estes temas "não forem administrados adequadamente, o crescimento mundial pode descarrilar".

No entanto, o Fundo manteve intocada a previsão de crescimento para a China, de 6,3%, com redução sensível em relação aos 6,9% registrados em 2015, o menor nível em um quarto de século.

A instituição, no entanto, prevê para os Estados Unidos um crescimento de 2,1%, 0,2 ponto percentual abaixo da expectativa de outubro, principalmente devido ao impacto que o fortalecimento do dólar tem sobre as exportações.

O continente europeu é o único bloco que teve uma revisão em alta, de 0,1 ponto percentual, graças ao desempenho das economias de Alemanha e Espanha: em 2016 a região deve crescer 1,7%, sendo que em outubro passado a previsão do FMI era de um avanço de 1,6%.

No caso da Espanha, o país crescerá 2,7% em 2016 e 2,3% em 2017, segundo as previsões revisadas em alta.

Na América Latina, enquanto isso, o Brasil arrasta para baixo praticamente toda a região: o FMI prevê para este ano uma queda de 3,5% no país, quando em outubro estimava um retrocesso de 1%, o que representa um reajuste de -2,5 pontos percentuais, a revisão mais expressiva de todo o estudo.

A corrupção e os problemas políticos no Brasil, estimou Obstfeld, "minaram a confiança, o que também foi causado pela deterioração contínua das perspectivas orçamentárias, que está abalando a confiança e provocando uma maior depreciação (do real) e uma maior inflação".

Com uma previsão de crescimento para o México de 2,9%, contra os 3,1% previstos em outubro, o FMI projeta que a região da América Latina e do Caribe deverá experimentar em 2016 uma queda de 0,3%, uma forte revisão de -1,1 ponto percentual.

Atenção especial à ChinaEm seu novo estudo, o FMI se concentrou nos riscos que podem levar ao surgimento de crises localizadas, mas com consequências generalizadas.

A transição da China, a segunda maior economia do mundo, constitui, assim, a preocupação fundamental.

A súbita redução das importações e das exportações chinesas coloca ainda mais pressão sobre um mercado mundial de commmodities já deprimido, e com isso afeta diretamente os exportadores de muitos países, em especial Austrália e Brasil, produtores com perfil exportador.

Como efeito secundário, disse o FMI, esta tendência aumenta a instabilidade na confiança dos mercados em todo o mundo e acrescenta volatilidade suficiente para frear os investimentos de longo prazo.

Para o FMI, um cenário de intensificação da desaceleração chinesa pode conduzir a um enfraquecimento de sua moeda, arrastando, com isso, divisas de outros países.

Obstfeld pediu às autoridades chinesas que "se comuniquem melhor com os mercados" sobre seus planos para sua moeda, com o objetivo de reduzir a volatilidade, embora tenha questionado as reações dos mercados às notícias que chegam da China.

Os mercados "estão reagindo muito raivosamente a pequenas evidências", disse Obstelfd, "as reações são muito extremas".

A tudo o que foi mencionado, é preciso somar o programa de aumento das taxas de juros nos Estados Unidos, que fortalece o dólar e eleva os custos de mercados emergentes e países pobres para conseguir créditos.

pmh-ahg-al/ja/ma

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos