Fórum de Davos chega ao fim com tentativa de reduzir a preocupação com a China

Davos, Suíça, 23 Jan 2016 (AFP) - A diretora gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, tentou tranquilizar neste sábado os temores a respeito da China no último dia do Fórum Econômico Mundial de Davos.

Após o anúncio do crescimento de 6,9% da China em 2015, o pior resultado em 25 anos, Lagarde afirmou que o mundo não está assistindo a "um pouso forçado".

"Estamos vendo uma evolução, uma grande transição que vai ser acidentada", disse.

"Nós temos que nos acostumar com isto e é muito normal", disse, ao apontar que o gigante asiático, a segunda maior economia do mundo, está passando por uma nova fase, de uma economia industrial para outra de serviços, da concentração nas exportações para o estímulo ao mercado interno.

A queda vertiginosa do preço do petróleo contribui para o nervosismo em fóruns como Davos, onde a elite mundial se reúne a cada ano para ouvir aqueles que considera 'gurus', em uma tentativa de entender o futuro.

"O que está acontecendo é simplesmente o pior início de um ano de que se recordam os mercados financeiros, assim, simples", resumiu o francês Tidjane Thiam, presidente do Credit Suisse.

"O mercado está muito preocupado com a China, é natural. Teme a queda em uma recessão mundial", disse.

"A China tem os recursos e mais margem de manobra que muitos outros países", afirmou em outra sessão o investidor bilionário George Soros.

Aproveitar para reformarEm estado de preocupação permanente, a elite reunida em Davos também gosta de receber boas notícias. Por este motivo, recebeu de braços abertos o novo governo da Argentina, após 12 anos de ausência do país sul-americano.

O presidente Mauricio Macri obteve promessas de investimentos e recebeu um anúncio simbólico, mas significativo, dos Estados Unidos.

Washington deixará de votar contra a Argentina no momento de analisar créditos em instituições multilaterais.

A mensagem é um grande estímulo para que Buenos Aires resolva os problemas com os proprietários de títulos da dívida.

"O que a Argentina está fazendo agora é o que nós fizemos há alguns anos", afirmou o ministro da Fazenda do Brasil, Henrique Barbosa, que também viajou a Davos com a intenção de tranquilizar o mercado.

Mas o governo brasileiro enfrenta um segundo ano de recessão e uma crise política. A mensagem de Barbosa não teve o mesmo efeito do discurso argentino.

Para os demais países da América Latina, o momento é de apertar os cintos e aguardar um cenário mais tranquilo das tempestades no exterior.

O governo dos Estados Unidos elevou as taxas de juros e isto não favorece a América Latina.

"Haverá uma fuga de capitais de países emergentes para países desenvolvidos", disse Lagarde.

Os países que resistem graças a políticas prudentes aplicadas durante anos, exemplos de México, Colômbia e Chile, buscam oportunidades.

"Precisamos de menos protecionismo, que as regulamentações financeiras permitam aos bancos dos países desenvolvidos investir mais agressivamente em economias emergentes", disse à AFP o ministro colombiano da Fazenda, Mauricio Cárdenas.

"A região precisa de políticas fiscais ativas e ajustes inteligentes", afirmou em um discurso a secretária executiva da CEPAL, Alicia Bárcena.

"A região tem agora muito mais solidez econômica e espaço que em desacelerações anteriores para realizar este tipo de políticas", completou a secretária executiva da Comissão Econômica para América Latina e Caribe, organismo da ONU para a região.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos