Bolsas

Câmbio

Compromisso renovado na COP13 vai tentar reverter perda da biodiversidade

Cancún, México, 3 dez 2016 (AFP) - Após anos de imobilidade dos governos para salvar seus ecossistemas, a 13ª Conferência da ONU sobre Biodiversidade definiu neste sábado novas medidas que transcendem o turismo e a agricultura, em um esforço para reverter a perda iminente de espécies.

Os mais de 190 países que formam o Convênio sobre Diversidade Biológica (CDB) e que se reúnem na cidade caribenha mexicana de Cancún aprovaram em 2010 uma série de objetivos - chamados metas de Aichi - para frear a exploração demasiada dos ecossistemas, bem como reverter a poluição do ar e das águas, entre outras coisas.

Mas pouco foi feito para atingir estas metas, cujo prazo vence em 2020, e o estado da biodiversidade se degradou criticamente.

"A vida no planeta Terra e nosso futuro comum estão em jogo", reconheceram os países neste sábado, em uma declaração aprovada por unanimidade em Cancún.

"É urgente tomar medidas contundentes de forma responsável para garantir a sobrevivência da riqueza biológica", assinalaram.

A declaração será enviada à Assembleia Geral da ONU e marcará a pauta do restante da conferência (COP13), que se estenderá até o próximo dia 17.

- Economia a serviço da natureza -A biodiversidade oferece soluções para "os desafios urgentes sociais e de desenvolvimento que a comunidade internacional enfrenta", como garantir a saúde, o abastecimento de água potável, a segurança alimentar, erradicação da pobreza e a prevenção de desastres naturais, indica a declaração.

Desta forma, os países reconheceram que devem "elevar o nível de ambição e vontade política quanto à integração da conservação e uso sustentável da biodiversidade".

Para isso, a declaração se concentra na ideia de integrar os interesses da biodiversidade nos setores de turismo, agricultura, pesca e florestal.

"Estes setores dependem, em grande medida, da biodiversidade e de seus componentes", concordaram os países, ao se comprometerem a criar políticas, programas e orçamentos que "integrem de forma estruturada e coerente ações para a preservação, o uso sustentável, a gestão e restauração da diversidade biológica".

Os países também prometeram aumentar a cooperação internacional e a transferência de tecnologia, bem como "a eliminação de incentivos prejudiciais e o fortalecimento dos incentivos positivos" para a natureza.

Se isto funcionar, nas próximas COP se integrará a outros setores, como os de energia, mineração e transporte.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos