Bolsas

Câmbio

Alemanha diz que credores alcançaram 'posição comum' sobre a Grécia

Bruxelas, 20 Fev 2017 (AFP) - Os credores da Grécia, os países europeus e o FMI, conseguiram estabelecer uma posição comum que lhes permitirá voltar ao país para desbloquear o atual programa de resgate, declarou nesta segunda-feira o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble.

"Parto do princípio de que as instituições têm agora uma posição comum e que faremos progressos hoje para que a missão técnica possa retornar a Atenas com o objetivo de alcançar um resultado", disse Schäuble ao chegar a uma reunião dos ministros das Finanças da zona do euro.

O ministro das Finanças da Alemanha, o primeiro credor da Grécia e a principal economia da zona do euro, expressou sua confiança de que o Fundo Monetário Internacional formará parte economicamente do plano de ajuda em vigor, apesar de suas divergências com os países da Eurozona a respeito da dívida e dos objetivos para a Grécia.

Os 19 países da zona do euro debaterão se esta posição comum foi alcançada, indicou o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem. "Tivemos conversas intensas com as instituições e o governo grego para abrir caminho rumo a um retorno da missão a Atenas", afirmou.

Na Grécia, os chefes de missão, representando os credores da Grécia, deverão fechar um acordo completo e definitivo que permita o desembolso de uma nova parcela dos 86 bilhões de euros do terceiro plano de ajuda acordado à Grécia em 2015.

O tempo urge para desbloquear esta nova parcela, já que, sem novos fundos do terceiro programa de resgate, em vigor, Atenas não poderá devolver os cerca 7 bilhões de euros aos seus credores, previstos para julho. Além disso, uma série de eleições cruciais na Europa a partir de março podem complicar uma solução rápida.

Após seis anos de resgates financeiros concedidos em troca de duras reformas, a Grécia registra o maior número de desempregados da zona do euro, com 23% (números de outubro), e sua dívida alcança 176,9% do PIB, 311 bilhões de euros.

O FMI não quer participar economicamente no programa em vigor, de 86 bilhões de euros, porque considera inalcançáveis seus objetivos orçamentários, a não ser que intensifiquem as reformas previstas ou que os europeus aprovem um desconto da dívida grega.

O comissário europeu de Assuntos Econômicos, Pierre Moscovici, descartou a ideia de que a instituição monetária com sede em Washington, cujo papel foi crucial nos dois primeiros planos de ajuda, não forme parte finalmente do terceiro programa.

"O FMI deve estar a bordo, é um sócio muito importante", disse Moscovici ao chegar à reunião do Eurogrupo em Bruxelas.

clp-tjc/eg/ma

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos