Bolsas

Câmbio

Governo argentino rechaça tarifas dos EUA a seu biodiesel

Buenos Aires, 25 Ago 2017 (AFP) - A Argentina rechaçou nesta quinta-feira que os Estados Unidos apliquem tarifas alfandegárias de mais de 50% às importações de seu biodiesel, pelo qual anunciou que se reserva ao direito de tomar atitudes legais para reverter a medida, indicou a chancelaria.

O governo "manifesta seu rechaço à magnitude dos direitos preliminares impostos, superiores a 50%, que não correspondem a nenhum tipo de investigação objetiva nem metodologia aceitável do ponto de vista das normas da Organização Mundial do Comércio (OMC)", informou a chancelaria em comunicado.

A imposição de tarifas pegou Buenos Aires de surpresa, que anunciou quase simultaneamente a abertura de importações de porcos americanos.

"A Argentina tentará reverter esta decisão preliminar e se reserva ao direito de levar à frente ações legais pertinentes", acrescentou a nota. O recurso de queixa é apresentado ante a OMC.

As exportações argentinas de biodiesel aos Estados Unidos alcançaram no ano passado os 1,25 bilhão de dólares, 90% das vendas totais ao exterior. Este ano acumularam 700 milhões de dólares no primeiro semestre.

"É um duro golpe à cadeia de soja na Argentina. Como país já perdemos o mercado da União Europeia (UE) com o mesmo argumento de dumping que agora os EUA utilizam", disse nesta quinta-feira em comunicado a entidade de agricultores Coninagro, uma das quatro grandes do setor.

As barreiras "são consequência da investigação promovida por produtores privados de biodiesel dos EUA", acrescentou a chancelaria.

Esta indústria recebeu um duro golpe em 2013 quando a União Europeia (UE), então destino de quase 90% das exportações de biocombustíveis, aplicou um imposto de importação de 24,6% ao biodiesel argentino.

A Argentina foi o quarto produtor mundial de biodiesel a partir da soja em 2016.

No ano passado, a OMC decidiu a favor da Argentina tanto em primeira instância como em apelação, contra a medida imposta pela UE.

Nessa sentença, "a nível comercial multilateral foi estabelecido que a Argentina não outorga subsídios à produção de biodiesel", protestou o governo na declaração.

As vendas à UE, entretanto, não se restabeleceram. Alcançaram os 1,5 bilhão de dólares anuais em 2012, antes das barreiras impostas pelo bloco europeu.

O setor do biodiesel gera 2.000 empregos diretos e outros 6.000 indiretos, segundo um comunicado desta quinta-feira da senadora opositora María de los Ángeles Sacnun.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos