Topo

Airbus apresenta bons resultados ante a Boeing em plena crise

31/07/2019 14h38

Paris, 31 Jul 2019 (AFP) - A construtora europeia Airbus dobrou seu lucro líquido no primeiro semestre do ano, enquanto sua concorrente americana Boeing permanece imersa na pior crise de sua história, devido à imobilização de sua frota de aeronaves 737MAX.

"O resultado financeiro do primeiro semestre reflete essencialmente o aumento na cadência da família A320 e sua transição para a versão Neo [com um novo motor] mais eficiente", disse Guillaume Faury, CEO da Airbus.

Os motores da versão Neo até agora tiveram alguns problemas que retardaram a produção.

No entanto, o grupo obteve um lucro líquido de 1,197 bilhão de euros, em comparação com 496 milhões de há um ano.

Já a Boeing anunciou há uma semana um prejuízo líquido trimestral de quase US$ 3 bilhões.

A fabricante americana sofreu sua maior perda em mais de 50 anos de história após dois acidentes com seu modelo 737MAX, que deixaram um total de 346 mortos.

Consequentemente, todas as aeronaves deste modelo foram imobilizadas no solo por quatro meses e ainda não há data para que voltem a voar novamente.

"As bases do setor continuam sólidas, com o tráfego aéreo em boas condições de saúde, taxas de ocupação de cerca de 80% e robustas previsões de lucro para as companhias aéreas", acrescentou Faury.

Ele destacou, no entanto, sua preocupação em relação a um "contexto geopolítico complexo", bem como "protecionismo" e a intenção dos Estados Unidos de impor novas tarifas à União Europeia em retaliação ao que eles consideram subsídios abusivos da UE para os fabricantes de aeronaves. Esta questão requer "uma negociação para encontrar um acordo comum", afirmou Faury.

- Sucesso do A321 -O presidente da Airbus também afirmou que, agora, é "evidente que o cenário de um Brexit sem acordo é um cenário provável".

Os preparativos para um Brexit "duro", esperado para 31 de outubro, estão em andamento. "Temos que estar preparados para isso", afirmou Faury.

A Airbus manteve suas previsões de entrega de aviões entre 880 e 890 exemplares em 2019. No primeiro semestre, ela entregou um total de 389 aeronaves comerciais, contra os 303 durante o mesmo período em 2018.

A fabricante também informou sua intenção de aumentar o ritmo de produção dos A321 - avião de corredor único - levando em conta os "recentes êxitos comerciais", com uma meta de 63 aeronaves em meados de 2021, contra 60 em 2019.

Em sua divisão militar, a Airbus entregou sete aviões de transporte A400M no primeiro semestre, chegando a 81 aeronaves deste modelo em operação em 30 de junho, segundo o comunicado.

sw/ef/nth/pc/mar/cn/tt/ll

BOEING

AIRBUS GROUP

Mais Economia