PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Comissão Europeia propõe abertura parcial das fronteiras externas da UE em julho

3/6/2020 - Mulheres conversam separadas por cerca na fronteira entre Eslovênia e Itália durante a pandemia do novo coronavírus - Jure Makovec/AFP
3/6/2020 - Mulheres conversam separadas por cerca na fronteira entre Eslovênia e Itália durante a pandemia do novo coronavírus Imagem: Jure Makovec/AFP

Em Bruxelas (Bélgica)

10/06/2020 08h48

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, anunciou hoje que a Comissão Europeia deve propor esta semana aos países do bloco a reabertura "gradual e parcial" das fronteiras externas da União Europeia (UE) a partir de 1 de julho.

A retomada das viagens "não essenciais" à UE, não será aplicada a todos os países, e sim a um número determinado com base em uma série de critérios estabelecidos pelos países europeus e a Comissão, afirmou Borrell.

A medida para conter a pandemia entrou em vigor em 17 de março e, desde então, foi prorrogada nos 27 países do bloco, exceto a Irlanda, assim como em outros quatro países europeus: Suíça, Liechtenstein, Islândia e Noruega.

Na sexta-feira, os ministros europeus do Interior se expressaram a favor da reabertura gradual das fronteiras externas da UE e do espaço de livre circulação Schengen não antes de 1 de julho. Na prática, Bruxelas propõe uma última prorrogação de duas semanas.

A Comissão Europeia, no entanto, pode apenas apresentar a proposta. A decisão de aplicar a medida cabe a a cada país e a Grécia, muito dependente do turismo, já indicou a intenção de abrir as fronteiras em 15 de junho aos viajantes de vários países como Austrália, China e Coreia do Sul.

A comissária europeia de Assuntos Internos, Ylva Johansson, afirmou na semana passada que os países do bloco não conseguiam chegar a um acordo sobre quais critérios devem ser considerados para a reabertura das fronteiras.

A nível interno, os países europeus começaram a suspender os controles em suas fronteiras comuns introduzidos em março, um processo que o chefe da diplomacia comunitária pediu para ser concluído "ao longo do mês de junho".