PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Reservas de gasolina sobem nos EUA e petróleo sofre forte baixa

21/10/2020 18h54

Nova York, 21 Out 2020 (AFP) - As reservas comerciais de petróleo caíram na semana passada nos Estados Unidos, mas a gasolina subiu, contrariando as expectativas dos analistas, de acordo com dados oficiais que baixaram o preço do ouro negro na quarta-feira.

O contexto de avanço da pandemia do coronavírus e o retorno da produção da Líbia ao mercado também pressionaram os preços para baixo.

O barril de Brent do Mar do Norte para entrega em dezembro fechou a 41,73 dólares em Londres, queda de 3,3% na terça-feira.

Enquanto isso, em Nova York, o barril de WTI para a mesma entrega, em seu primeiro dia como referência de mercado, caiu 4,01%, a 40,03 dólares.

De acordo com o relatório semanal da Agência de Informação de Energia dos Estados Unidos (EIA), as reservas de petróleo bruto eram de 488,1 milhões de barris (mb) em 16 de outubro, queda de 1 mb.

As reservas de gasolina aumentaram 1,9 MB, quando os analistas esperavam uma queda de 1,5 MB.

Em Cushing, Oklahoma, onde estão localizadas as gigantescas reservas de petróleo WTI que servem de referência para um barril negociado em Nova York, as reservas aumentaram de 1 MB para 60,4 MB.

"A demanda por gasolina e diesel é muito menor do que no mesmo período do ano passado", explicou Andy Lipow, da Lipow Oil Associates. "Isso leva a um aumento nas reservas de gasolina no relatório desta semana", acrescentou o especialista, observando que a nova onda de infecções por coronavírus nos Estados Unidos e na Europa enfraquece as expectativas de uma retomada do consumo.

Os estoques de produtos destilados, como combustível para aquecimento, caíram 3,8 mb, acima dos 2 mb esperados pelos analistas.

O ritmo das refinarias dos EUA desacelerou novamente e elas operaram com 72,9% de sua capacidade, em comparação com pouco mais de 75% na semana passada.

A produção de petróleo dos EUA caiu para 9,9 milhões de barris por dia (mbd), seu nível mais baixo desde o final de agosto.

As importações caíram de 5,3 mbd para 5,1 mbd, enquanto as exportações aumentaram de 2,1 mbd para 3,0 mbd. Nas últimas quatro semanas, os americanos consumiram em média 18,3 mbd, quase 13% a menos que no mesmo período do ano passado.

dho/vmt/bh/mr/dga/mr/rs