PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Shell anuncia prejuízo de US$ 21,7 bilhões em 2020

O grupo anglo-holandês Royal Dutch Shell anunciou um grande prejuízo em 2020 - Toby Melville/Reuters
O grupo anglo-holandês Royal Dutch Shell anunciou um grande prejuízo em 2020 Imagem: Toby Melville/Reuters

Em Londres

04/02/2021 06h04

O grupo anglo-holandês Royal Dutch Shell anunciou hoje um grande prejuízo de US$ 21,7 bilhões em 2020, consequência da queda dos preços do petróleo e das depreciações provocadas pela pandemia.

A gigante do setor de combustíveis recorda em um comunicado que registrou lucro líquido de US$ 15,8 bilhões em 2019, antes do início da crise de saúde e de suas restrições, que afetaram o consumo de petróleo e de gás.

Durante os primeiros momentos de confinamento no início de 2020, os preços do petróleo registraram forte queda, chegando a entrar em terreno negativo em abril.

A partir do outono (hemisfério norte, primavera no Brasil), as cotações se recuperam e se aproximaram dos US$ 50, mas ainda permanecem abaixo do nível do início de 2020.

As contas da Shell sofreram sobretudo durante o segundo trimestre por grandes depreciações de seus ativos para refletir a situação do mercado, o que representou uma perda de mais de US$ 18 bilhões.

O grupo voltou ao cenário positivo durante o terceiro trimestre, antes de registrar novamente perdas de US$ quatro bilhões no quarto trimestre por causa das depreciações.

A pandemia abalou o mercado de petróleo e as grandes empresas foram obrigadas a adaptar-se aos preços persistentemente baixos, o que reduz o valor de seus ativos.

As perdas anuais da Shell são maiores que as anunciadas ontem pela concorrente BP (US$ 20,3 bilhões).

O grupo anglo-holandês mantém a prudência para o início de 2021 e espera um impacto negativo da pandemia na demanda de combustíveis.

A Shell se viu obrigada a iniciar uma profunda reestruturação que deve permitir a adaptação da empresa a preços menores e cumprir seu objetivo de adotar atividades mais "verdes", assim como alcançar a neutralidade de carbono até 2050.

O grupo deseja reduzir drasticamente seus custos, com o corte de 7.000 a 9.000 postos de trabalho.