PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

PIB dos EUA sobe 6,5% no segundo trimestre

29/07/2021 11h29

Washington, 29 Jul 2021 (AFP) - Os Estados Unidos registraram um crescimento mais fraco do que o esperado no segundo trimestre de 2021, mas a economia superou o nível pré-pandemia pela primeira vez, de acordo com a primeira estimativa do Departamento de Comércio, divulgada nesta quinta-feira (29).

O Produto Interno Bruto (PIB) do gigante americano registrou crescimento anualizado de 6,5%, bem abaixo dos 8,5% esperados pelos analistas.

A taxa no período de abril a junho mostrou ligeira aceleração ante o crescimento de 6,3% observado no primeiro trimestre, e foi impulsionada por aumentos nos gastos do consumidor, exportações e gastos do governo local, segundo o relatório.

Mas o aporte total da economia local superou o índice do quarto trimestre de 2019, que foi o último a não ser castigado pela crise provocada pela pandemia de covid-19. Assim, seu nível subiu para um total de 19,4 trilhões de dólares.

No final, o crescimento foi prejudicado por um programa governamental de concessão de empréstimos e subsídios para pequenas empresas, bem como por menores gastos do governo federal.

A pandemia desencadeou uma severa recessão nos Estados Unidos no ano passado, e a economia finalmente contraiu 3,5%, seu pior colapso desde que os registros modernos começaram em 1946.

Os gastos maciços do governo autorizados pelo Congresso, bem como as campanhas de vacinação, que permitem que os negócios se recuperem do golpe da covid-19, devem tirar o país da depressão.

Dados oficiais também mostraram que o Índice de Preços ao Consumidor Pessoal (PCE) aumentou 6,4% no segundo trimestre de 3,8% no período anterior, confirmando que a inflação está aumentando à medida que a demanda está voltando de seus níveis deprimidos há um ano.

Excluindo os preços voláteis de alimentos e energia, o índice de preços PCE subiu 6,1%.

O FMI prevê um crescimento de 7% para os Estados Unidos este ano.

No início do mês, o Fundo Monetário Internacional revisou para cima o crescimento previsto, mas instou o governo de Joe Biden a eliminar as tarifas alfandegárias impostas durante o mandato de Donald Trump, especialmente nos setores do aço e do alumínio.

O FMI elogia muitas das medidas econômicas tomadas pelo presidente democrata para impulsionar a economia, mas disse ser "muito preocupante que muitas das distorções comerciais introduzidas nos últimos quatro anos continuem vigentes".

jul/oaa/llu/dga/llu/mr

PUBLICIDADE