PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

'Start-up' brasileira leva serviços de entrega para a favela

16/12/2021 14h10

São Paulo, 16 dez 2021 (AFP) - Gritando a plenos pulmões, batendo palmas ou tocando campainhas, os entregadores da pioneira Favela Brasil Xpress distribuem encomendas em Paraisópolis, uma comunidade popular da zona sul de São Paulo, que as empresas tradicionais se recusam a atender por temerem a insegurança.

Este bairro carente, com cerca de 100.000 habitantes, o segundo mais populoso da maior metrópole da América Latina, era vedado do mapa dos serviços de entrega até que um novo empreendimento se propôs a "quebrar os muros invisíveis que separam as comunidades do tecido urbano das cidades", diz à AFP Givanildo Pereira, o jovem fundador da empresa, de 21 anos.

A Favela Xpress começou em abril, aproveitando o mapa criado por uma rede de 'presidentes da rua', destinado a monitorar, durante a pandemia, a distribuição de alimentos e outras doações para as famílias.

Seu objetivo: abastecer "uma demanda reprimida pelo bloqueio dos CEPs que delimitava essa região como área de risco", praticado por outras empresas, explica seu fundador.

"Quando a gente faz entregas, estamos trazendo dignidade para as pessoas pertencentes à sociedade porque elas têm o mesmo direito a receber pacotes na porta da sua casa, sem preconceitos", afirma.

Pereira, que mora desde criança em Paraisópolis, incluiu no projeto os próprios moradores para lhes dar oportunidade de emprego e, ao mesmo tempo, aproveitar seu conhecimento da cultura e da estrutura do bairro, onde, por exemplo, não há uma progressão dos números nas ruas.

- Expansão no Brasil -A Favela Xpress busca "gerar oportunidades de trabalho e renda para as pessoas desempregadas", diz Pereira.

Este é o caso de Imael Silva Maia, de 28 anos, que organiza as entregas do centro de distribuição localizado em um dos acessos do barro. Ali chegam pacotes com eletrodomésticos, brinquedos, etc, enviados por outras empresas.

"Sou tatuador e o trabalho caiu muito com a pandemia (...) A gente faz um pouco de tudo, fico na parte da expedição, separo os pacotes, às vezes quando tem algumas remessas paradas, vou para a rua fazer entregas", conta.

A aposta deu resultado: a empresa fatura cerca de 200.000 reais por mês com uma média de 1.800 entregas diárias e conta com cerca de 300 colaboradores, entre funcionários diretos e entregadores independentes.

Também se expandiu para outras seis comunidades, incluindo a Rocinha, no Rio de Janeiro, a mais populosa do Brasil, com quase 26.000 residências. Grandes redes como Lojas Americanas, Via Varejo e Dafiti se associaram à iniciativa.

Recentemente, a empresa se tornou a primeira criada em uma comunidade brasileira a iniciar a busca de investidores com um modelo de equity crowdfunding, ou investimento participativo, para acelerar seu crescimento.

Concretamente, abriu-se à participação do público disposto a desembolsar a partir de 10 reais em troca de um percentual de sua receita trimestral.

Agora, espera juntar 1,3 milhão de reais dos investidores para chegar a 50 favelas em 2023 e 1.500 postos de trabalho.

O potencial de negócios é grande entre os 13.000 assentamentos informais no Brasil, que movimentam 168 bilhões de reais por ano, estima a ONG de impacto social G10.

- Bolsa de valores -A abertura da Favela Xpress aos investidores foi equiparada por seus promotores a uma oferta pública inicial (IPO) de ações, como em uma bolsa de valores.

A plataforma DIVIhub, onde se hospeda a oferta, inclusive fez antes da "estreia" uma análise do negócio e sua viabilidade.

Mas a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) ainda deve finalizar o processo "para desenvolver um mercado secundário público e organizado, uma espécie de bolsa das favelas, onde os compradores possam vender pelo valor que eles quiserem", explica Ricardo Wendel, diretor-executivo da DIVIhub.

Cerca de 18 projetos em análise poderiam integrar este mercado, detalha. Entre eles, o G10 Bank, uma instituição financeira focada no desenvolvimento das comunidades.

Ainda que esteja distante, Pereira sonha em que a "start-up" se torne o primeiro "unicórnio" da favela, título que recebem as empresas avaliadas em 1 bilhão de dólares.

mls/app/mvv

PUBLICIDADE