PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Inflação põe em jogo credibilidade do Fed, diz um de seus membros

14/02/2022 19h10

Washington, 14 Fev 2022 (AFP) - O Federal Reserve (Fed), o banco central dos Estados Unidos, precisa acelerar o ritmo de crescimento das taxas de juros para combater a inflação, mas pode fazê-lo sem perturbar os mercados, disse nesta segunda-feira (14) o presidente do Fed de St. Louis, James Bullard.

"Nossa credibilidade está em jogo", ressaltou Bullard à emissora CNBC após o maior salto registrado no índice de preços ao consumidor em doze meses em janeiro, de 7,5%, o maior em quatro décadas.

Para Bullard, o Fed deve "seguir forte" e elevar a taxa de referência para 1% até julho.

O funcionário, que tem voto no comitê de política monetária do Fed, já tinha provocado fortes reações nos mercados na semana passada após fazer comentários sobre a necessidade de retirar os estímulos à economia criados durante a pandemia.

Bullard disse que os dados resultam de quatro meses de relatórios preocupantes em que há indícios de que a inflação está "aumentando e possivelmente acelerando na economia dos Estados Unidos".

Contudo, o Fed de Nova York revelou nesta segunda-feira (14) uma pesquisa mostrando que as expectativas de parte dos consumidores sobre a inflação em um ano caíram pela primeira vez desde outubro de 2020.

Os dados da pesquisa mostraram uma expectativa média da inflação de 5,8% em janeiro, contra 6,0% de dezembro.

Apesar dessa ligeira redução, o índice ainda está muito acima da meta de 2% do Fed e muito mais alto do que se esperava conseguir na medida em que os problemas na cadeia de suprimentos ligados à pandemia vão sendo resolvidos.

Bullard disse que tentaria convencer seus colegas no Fed sobre a necessidade de aumentar rapidamente os juros, mas difere do presidente da entidade, Jerome Powell.

"Creio que necessitamos mais força, para além de nossos planos de retirar os incentivos que tínhamos anteriormente", afirmou. "Contudo, acredito que isso possa ser feito de um modo organizado e que não seja disruptivo para os mercados", acrescentou.

A próxima reunião do Fed está prevista para os dias 15 e 16 de março e alguns economistas acreditam que o banco central poderia ser mais agressivo, estabelecendo um aumento de meio ponto para mostrar sua determinação para conter o crescimento dos preços.

jul/vmt/eb/cjc/yow/gm/rpr/mvv