PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Cuba barra entrada ao país de ativista da oposição

16/02/2022 19h04

Miami, 16 Fev 2022 (AFP) - A ativista opositora cubana Anamely Ramos não pôde embarcar nesta quarta-feira (16) em um voo da companhia aérea American Airlines entre Miami, no sudeste dos Estados Unidos, e Cuba, depois que as autoridades do seu país lhe negaram a entrada na ilha, denunciou.

"Quero voltar ao meu país e tenho todos os documentos em dia", explicou Ramos em um telefonema à AFP. "Não me deixam voltar por razões políticas. Como dissenti em muitas coisas que o governo cubano faz de errado, eles decidem fazer isto".

As autoridades cubanas lembraram que suas leis permitem limitar a entrada de todas as pessoas em função de diferentes preceitos.

"Há vários (critérios para tomar uma decisão) assim, entre eles organizar e participar de ações contra os fundamentos políticos, econômicos e sociais do país", disse à imprensa Ernesto Soberón, diretor de Assuntos Consulares da Chancelaria cubana.

Ramos está fora de Cuba desde janeiro de 2021, quando viajou para estudar doutorado na Universidade Ibero-americana da Cidade do México, e garante querer voltar ao seu país para fazer um trabalho de campo relacionado com seus estudos.

A ativista fez parte do Movimento San Isidro, criado em 2018 para exigir maior liberdade de expressão em Cuba.

"Quando vou fazer o check-in, a American Airlines me diz que Cuba tinha mandado uma mensagem de 'no go', ou seja, de que eu não estava admitida para entrar no país", explicou Ramos.

A companhia aérea americana está "a par" do ocorrido e está "avaliando a situação", informou em um e-mail.

Ramos protestou contra a decisão da American Airlines de não deixá-la voar, alegando que o "Estado cubano está transferindo a responsabilidade para a companhia aérea e está, de alguma forma, colocando as fronteiras".

A companhia aérea destacou, por sua vez, que os "requisitos de entrada e admissibilidade dos viajantes são determinados pelas autoridades de cada país, não as companhias aéreas".

"Estou em uma situação de total desespero porque não tenho casa aqui", lamentou a ativista. "Em abril vence meu visto, portanto me expõem a uma situação de ilegalidade que eu não provoquei".

Em março de 2021, o governo cubano impediu a entrada à ilha da jornalista Karla Pérez, quando ela pretendia voar para a Havana procedente do Panamá, devido a seus vínculos com opositores fora da ilha. Atualmente, mora na Costa Rica, onde obteve o refúgio.

gma/dga/mvv