PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Sinn Fein quer ganhar 'mentes e corações' para alcançar a reunificação da Irlanda

24/05/2022 12h42

Londres, 24 Mai 2022 (AFP) - A líder do partido republicano Sinn Fein, Mary Lou McDonald, reconheceu nesta terça-feira (24) que o partido deve "conquistar mentes e corações" para alcançar a reunificação da ilha da Irlanda, algo que seu partido gostaria de ver nesta década.

Na campanha eleitoral, que há três semanas levou à vitória do Sinn Fein nas legislativas regionais da Irlanda do Norte, o partido deixou em segundo plano a reunificação com a vizinha República da Irlanda, priorizando questões como a crise do custo de vida.

"Estamos nos preparando para uma mudança constitucional, a reunificação da Irlanda. Temos que fazer isso de forma pacífica, democrática e ordenada", afirmou McDonald em coletiva de imprensa em Londres.

Para que ocorra a reunificação - que em virtude do acordo de paz da Sexta-feira Santa de 1998 exigiria organizar um referendo - "é preciso haver uma preparação", "um debate muito amplo em toda a ilha, que inclua todos os pontos de vista", destacou.

"Os governos de Londres e Dublin precisam considerar que isso é uma tendência, cada vez mais pessoas na ilha sentem que a mudança é iminente", afirmou.

Desde as eleições em 5 de maio, nas quais o Sinn Fein - ex-braço político do desaparecido grupo armado IRA - se tornou pela primeira vez o principal partido no Parlamento regional norte-irlandês, as instituições locais, nas quais unionistas e republicanos devem compartilhar o poder, estão paralisadas.

O partido unionista do DUP se recusa a participar, exigindo a eliminação dos controles pós-Brexit sobre as mercadorias que chegam à região procedentes do resto do Reino Unido.

Em Londres, o governo de Boris Johnson ameaçou legislar para derrubar unilateralmente o protocolo da Irlanda do Norte, arriscando uma guerra comercial de retaliação com a União Europeia.

Os lados acusam-se mutuamente de comprometer o acordo de paz, que encerrou três décadas de conflito no qual 3.500 pessoas morreram.

Os Estados Unidos - garante do acordo e que na semana passada enviaram uma delegação especial à Europa - e os europeus "investiram muito em termos diplomáticos e políticos no processo de paz irlandês e ninguém vai permitir que Boris Johnson, de forma tão arrogante, estrague o que eles planejaram com tanta paciência", disse McDonald.

Durante uma visita a Dublin, depois de ter passado por Bruxelas e Londres, o chefe de uma delegação de parlamentares americanos considerou que os problemas comerciais gerados pelo protocolo, "se é disso mesmo que se trata", poderão ser "resolvidos rapidamente".

"Agora cabe a Londres encontrar uma solução", acrescentou o democrata Richard Neal após se reunir com o chefe da diplomacia irlandesa, Simon Coveney, segundo comentários à emissora pública RTE.

spe/acc/mb/aa/jc