PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Instabilidade política reaviva temor de crise da dívida na Itália

18/07/2022 09h04

Roma, 18 Jul 2022 (AFP) - O anúncio da renúncia do chefe de Governo, Mario Draghi, e o aumento das taxas de juros pelo Banco Central Europeu (BCE), reavivou os temores de uma crise da dívida na Itália, onde financistas e políticos analisam o spread entre os títulos alemães e italianos.

Após a decisão do BCE em junho de cortar as medidas de apoio monetário e de compra de ativos (para conter a inflação), o spread - a diferença entre as taxas de juros da Alemanha e da Itália em dez anos - subiu 245 pontos, seu nível mais alto em dois anos.

O anúncio do BCE de novos planos para combater o aumento do spread fez com que caísse, mas a renúncia de Draghi, rejeitada pelo presidente, disparou novamente o prêmio de risco italiano.

- Em que situação está a Itália? -Além das tensões políticas, na Itália "existe um risco específico devido ao tamanho de sua dívida, sua baixa taxa de crescimento e sua dependência do gás russo", disse à AFP Gilles Moec, economista-chefe da seguradora e administradora AXA Group.

A Itália tem uma dívida de 2,7 trilhões de euros (quase o mesmo valor em dólares), a segunda maior da zona do euro depois da Grécia em relação ao seu PIB (150%), apesar da relação dívida/PIB ter começado a diminuir.

Em termos de crescimento do produto interno bruto, o país está há anos na fila de trás na zona do euro: entre 1999 e 2019, cresceu apenas 7,9%, em comparação com 30,2% na Alemanha, 32,4% na França e 43,6% na Espanha.

Após a pandemia de coronavírus de 2020, o país conseguiu crescer 6,6% em 2021.

E o Banco da Itália prevê um crescimento de 3,2% para 2022, embora esse número possa ser de 1% se a Rússia cortar o fornecimento de gás como resultado das sanções pela guerra na Ucrânia.

- Areia movediça política -A Itália é a maior beneficiária do plano de recuperação econômica lançado na Europa após a covid-19, com 191,5 bilhões de euros, e conta com esse dinheiro para relançar sua economia, mas terá de aceitar uma série de reformas impostas pela União Europeia.

A possível saída de Draghi, no entanto, complicaria a realização das reformas, e as tensões dentro da coalizão governista poderiam levar a eleições antecipadas.

A taxa de juros a dez anos estava abaixo de 0,5% quando "Super Mario" se tornou presidente do conselho de ministros, em fevereiro de 2021. Mas agora está em 3,4%.

"Se o governo Draghi cair amanhã, não consigo imaginar o que aconteceria com o diferencial", diz Franco Pavoncelo, professor de ciência política da Universidade John Cabot, em Roma.

Uma vitória para as forças da extrema-direita, ou para os populistas, degradaria a situação, como já aconteceu em 2018, quando a Liga de Matteo Salvini e o Movimento Cinco Estrelas governaram juntos.

- BCE ao resgate -"Foi a pressão sobre a Itália que convenceu o BCE a criar uma ferramenta" para limitar as diferenças de custo de financiamento entre as economias mais fracas do euro, aponta Gilles Moec.

Com esta ferramenta, o BCE procura conter a especulação e evitar uma crise da dívida como a de 2012.

Para o economista-chefe do banco italiano Unicredit, Erik Nielsen, o súbito aumento das taxas em junho foi pura especulação: "não responde a um problema real de insolvência".

"A Itália é vista como o país mais vulnerável, por isso há especulações", acrescentou.

Mas a chegada de forças antissistema no governo italiano pode complicar a situação, já que os países ditos "austeros" do norte da Europa não veem com bons olhos a ajuda do BCE aos Estados eurocéticos.

- Crise semelhante à de 2012? -Para o economista Jesús Castillo, do banco de investimento Natixis, um aumento das taxas de juros não perturbaria as finanças públicas italianas: "Para que haja problemas de solvência, têm que subir muito rapidamente e por muito tempo".

Além disso, os títulos da dívida da Itália têm duração média de sete anos, portanto, o aumento das taxas não afeta diretamente a dívida.

Por outro lado, o país está numa situação melhor do que em 2012. "Os fundamentos econômicos continuam compatíveis com a sustentabilidade da dívida de longo prazo", garante Castillo.

bh/ide/grp/zm/mr