PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Auxílio emergencial: Mais de 1,3 milhão de cadastros estão sob suspeita

Parceria entre Ministério da Cidadania, MPF e Polícia Federal tenta coibir e punir fraudes no recebimento do auxílio emergencial - André Melo Andrade/Myphoto Press/Estadão Conteúdo
Parceria entre Ministério da Cidadania, MPF e Polícia Federal tenta coibir e punir fraudes no recebimento do auxílio emergencial Imagem: André Melo Andrade/Myphoto Press/Estadão Conteúdo

22/07/2020 17h45

O Ministério da Cidadania firmou parceria com o MPF (Ministério Público Federal) e a Polícia Federal para evitar, coibir e punir fraudes no recebimento do auxílio emergencial — verba destinada à população de baixa renda para reduzir o impacto econômico da pandemia do novo coronavírus.

De acordo com dados publicados pelo Ministério da Cidadania, mais de 1,3 milhão de cadastros de pessoa física (CPFs) já estão sob averiguação.

Segundo nota divulgada pelo ministério, a ação mira grupos organizados que agem para burlar os sistemas usados para filtragem dos perfis que podem receber a ajuda financeira. A Caixa Econômica Federal também participará da ação e será responsável por identificar e informar saques feitos de maneira irregular, por pessoas que não são titulares do benefício, saques com cartões clonados ou acesso indevido às contas beneficiadas.

"Mesmo com o nosso altíssimo índice de acerto no pagamento do auxílio emergencial, ainda há grupos criminosos que insistem em burlar o sistema. Então, essa parceria vai aumentar os instrumentos de controle a partir do cruzamento de informações para encontrarmos e punirmos esses criminosos", afirmou, em nota, o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni.

Base de dados

Registros de movimentação irregular serão incluídos na BNFAE (Base Nacional de Fraudes no Auxílio Emergencial), um banco criado pela PF especialmente para para apurar e rastrear a atuação criminosa no benefício. Outros órgãos também poderão acessar e alimentar a base de dados, e as denúncias, caso haja evidências suficientes, serão conduzidas pelo MPF.

O governo mantém também uma plataforma online para receber denúncias. Elas poderão ser feitas através da plataforma Fala.Br ou por telefone, pelos números 121 ou 0800-707-2003.