Bolsas

Câmbio

O lado ruim de ter inúmeras opções de carreiras

Alina Dizik - BBC Capital

  • Getty Images/iStockphoto

Quando terminou a faculdade, há menos de uma década, Nina Cheng não poderia imaginar que estaria agora vendendo capas para iPhone de pele de raposa por valores superiores a US$ 350 (R$ 1,1 mil).

Antes de começar seu próprio negócio, ela já tinha trabalhado em três diferentes setores - bancário, consultoria e moda. Mas, cansada do que chamou de "falta de liberdade", decidiu se lançar em uma nova empreitada para ter maior controle sobre sua carreira.

"Quando comecei a trabalhar (durante a recessão), me considerava agradecida por ter um emprego", diz Cheng, fundadora da Wild and Woolly, uma empresa com sede em Nova York que vende capas para celulares e brincos.

Mas depois, diz ela, "passei a sentir que precisava de uma liberdade completa para explorar outras opções".

Cheng acabou trocando o mundo corporativo pelo empreendedor. Mudar de profissão pode parecer cansativo no início, mas ter tido experiência em diferentes setores permitiu a ela lidar melhor com eventuais frustrações.

Para muitos, o conceito tradicional de carreira está morto. Agora, movimentos laterais são tão importantes para o crescimento profissional quanto salários ou cargos mais altos.

O problema é, a cada dia que passa, parece mais difícil lidar com a imensa quantidade de oportunidades.

'Teia ou labirinto'

"Em vez de subir degrau por degrau", a estrutura tradicional das carreiras passou a ser "uma teia ou labirinto", opina Katy Tynan, estrategista-chefe de desenvolvimento de talento na Coreaxix, uma consultoria que presta serviços para multinacionais.

Muitas pessoas veem essa mudança com otimismo porque "a maneira como encaramos a carreira hoje em dia força todo mundo a perseguir uma única posição no topo - e essa é a receita para a frustração", acrescenta ela.

As gerações mais novas de profissionais tendem muito mais a fazer movimentos laterais em suas carreiras, segundo um relatório do banco britânico Barclays publicado em 2016.

Segundo o estudo, 24% dos entrevistados que tinham menos de 34 anos disseram já ter trabalhado em quatro setores diferentes, comparado com 59% dos que tinham mais de 65 anos e a experiência de "apenas" três diferentes setores no currículo.

A pesquisa acrescenta que nesse ritmo os mais jovens vão mudar de cargo sete vezes mais do que seus pais ao longo de suas vidas profissionais.

Para navegar nessa nova estrutura de carreira, as gerações mais novas vão ter que priorizar obter habilidades intangíveis em diferentes tipos de setores, argumenta Tracy Williamson, diretora de marketing do Barclays.

Segundo ela, as empresas focam hoje menos na experiência em um determinado setor e mais na capacidade de o candidato adaptar-se a mudanças no ambiente de trabalho, assim como em se comunicar por diferentes plataformas e em solucionar problemas.

Neste sentido, o novo contexto acaba com o antigo dilema de que, para crescer em determinada empresa, seria preciso esperar seu chefe - ou o chefe do seu chefe - morrer.

Mas ainda que esse novo cenário possa parecer, a princípio, libertador, ter de se reinventar a todo momento requer muito mais energia.

Exaustão

Os movimentos laterais, como por exemplo sair de uma vaga em vendas para trabalhar como consultor independente, aumentaram na última década.

Mas também trouxeram muita confusão, diz Tynan.

Com cada vez mais pessoas trabalhando como autônomos, ter sucesso na carreira não é sinônimo de atingir o topo.

"Pensar em todas essas opções é realmente desgastante", diz Evan Polman, professor-assistente de marketing da Universidade de Wisconsin-Madison (EUA) que estuda a fadiga da decisão.

Além disso, mover-se constantemente pode dificultar a progressão na carreira, uma vez que, segundo a especialista, impede o profissional de ter um pensamento mais abrangente, necessário para crescer profissionalmente.

Mas o que fazer se você se sente sobrecarregado pela necessidade constante tanto de analisar suas opções de carreira quanto de considerar seu próximo passo profissional? Afinal, a resposta já não é mais tão óbvia quanto no passado.

Impor-se limites é um bom começo. Tynan recomenda a seus clientes que não se façam a pergunta "o que eu quero ser?" como forma de progredir na carreira.

Em sua opinião, os profissionais devem deixar de lado a indecisão e, em vez disso, descobrirem quais tipos de habilidades querem aprimorar, além de focarem no tipo de trabalho e problemas que querem solucionar.

"Algumas pessoas ficam se sentindo muito mal porque, na verdade, não fazem qualquer exercício de introspecção", diz ela.

Em vez de analisar possíveis movimentos de carreira toda semana, os profissionais devem optar por rever seus planos a cada ano, ao mesmo tempo em que mantêm um objetivo maior a médio prazo, defende Tonushree Mondal, consultora de recursos humanos na Filadélfia.

Assim, limitar o número de vezes que você pensa em ampliar suas metas pode ajudá-lo a superar essa sensação constante de que "as opções são infinitas", acrescenta.

Segundo ela, criar um plano de carreira de longo prazo ajuda a cumprir objetivos menores.

Cheng diz que mudou de ideia sobre suas possibilidades profissionais ao ter experimentado diferentes empregos e ao fazer contatos profissionais frequentes com pessoas que trabalham em setores variados.

Antes de criar seu próprio negócio, ela passou dois anos como gestora de projetos nos setores farmacêuticos e de varejo, além de estabelecer contatos na indústria da moda.

A agora empresária chegou, inclusive, a fazer um estágio não remunerado em uma revista de moda.

"Fui bastante aguerrida para tentar absorver o conhecimento de outras pessoas", lembra ela.

Evite a paralisia

Identificar marcas claras de sucesso na medida em que você restringe suas opções de carreira também pode ajudá-lo a administrar a pressão e o cansaço de planejar os próximos passos, diz Polman.

Por exemplo, comemorar uma nova habilidade aprendida ou mudar de banda salarial seriam formas de fazê-lo se sentir como se estivesse progredindo sem a necessidade de uma promoção tradicional.

"Você precisa ter uma sensação de progresso para que você possa se sentir mais seguro para escolher alguma coisa", conclui.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos