FMI prevê crescimento mesmo com aumento de risco à economia global

Bloomberg News

(Bloomberg) -- A diretora-gerente do FMI (Fundo Monetário Internacional), Christine Lagarde, disse que ainda vê o crescimento intacto, mesmo com os riscos crescentes à economia global.

No início de uma reunião de dois dias de ministros das finanças das 20 maiores economias do mundo, em Xangai, China, Lagarde mencionou as ameaças de risco geopolítico, o ciclo de crédito, as saídas de capital e a queda dos preços das commodities.

"Nós consideramos no momento que a probabilidade de materialização desses riscos é ligeiramente maior, mas ainda vemos crescimento", disse ela.

A China realiza uma enorme transição para focar em serviços e consumo e o FMI fez uma forte recomendação de que o país estabeleça uma faixa-meta de crescimento de 6% a 6,5%, segundo Lagarde.

O governo disse neste mês que estabeleceu uma faixa-meta de crescimento de 6,5% a 7% para este ano, menor que a meta do ano passado, de cerca de 7%.

Ao mesmo tempo, os efeitos das políticas monetárias dos bancos centrais, mesmo as inovadoras, estão diminuindo, disse Lagarde, na sexta-feira (26), em conferência do Instituto de Finanças Internacionais paralela à cúpula de ministros das finanças e banqueiros centrais do Grupo dos 20.

Nesta semana, o FMI pediu que as maiores economias do mundo criem novas formas de apoiar a demanda e conter os riscos, porque a perspectiva para o crescimento global está piorando.

O fundo com sede em Washington quer que os países do G20 lancem estímulos fiscais e reformas estruturais. Autoridades, como o secretário do Tesouro dos EUA, Jacob J. Lew, minimizaram as perspectivas de um esforço global conjunto com o objetivo de conter a turbulência dos mercados financeiros.

Lagarde disse que os mercados emergentes são uma mistura de situações diferentes e acrescentou que o FMI foi abordado por diversos países dependentes das commodities em busca de ajuda dos instrumentos financeiros do fundo.

"Ainda estamos em um ambiente em que existe crescimento, e eu consigo entender por que alguns afirmam agora que há uma reação exagerada dos mercados. Provavelmente haja muita ansiedade que agora se justifica pelo que está acontecendo nos fundamentos", disse Lagarde.

FMI diz que Brasil só deve voltar a crescer em 2018

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos